quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Vencedor da segunda fase do projeto Porto Maravilha é anunciado

27/10/2010 - Portal 2014

Consórcio formado por Odebrecht, OAS e Carioca levou PPP de R$ 7,3 bilhões

Segunda fase do Porto Maravilha vai custar R$ 7,3 bilhões (crédito: Divulgação)
ampliar

O consórcio Porto Novo, formado pelas empresas Odebrecht, OAS e Carioca Engenharia, foi o vencedor da primeira Parceria Público-Privada (PPP) do Rio de Janeiro, para intervenções na segunda fase do Projeto Porto Maravilha, que pretende revitalizar a zona portuária carioca. O resultado foi anundiado ontem (26).

Uma nova avenida, chamada Binário, será construída em janeiro de 2011 em obra que levará dois anos para ser concluída. A prefeitura espera que todas as obras viárias e de infraestrutura fiquem prontas até a Olimpíada de 2016, já que o porto receberá vilas de mídia e dos árbitros, além de outras instalações.

Com valor da PPP estipulado em R$ 7,3 bilhões por 15 anos de concessão, o consórcio ficará responsável por reurbanizar ruas, calçadas, além do Morro do Pinto, próximo a área, instalar redes de esgoto, água, telefonia entre outros serviços. A assinatura do contrato será feita na última semana de novembro.

Ipanema por volta de 1960


Cartão Postal

Rodoviária do Rio de Janeiro na década de 1950

Terminal Rodoviário Mariano Procópio








http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=921668&page=5

Prefeitura do Rio comprará terreno do Gasômetro

27/10/2010 - O Globo - Isabela Bastos

POTENCIAL CONSTRUTIVO

RIO - Considerado pela prefeitura o terreno com maior potencial construtivo da Zona Portuária, onde a legislação aprovada pela Câmara de Vereadores este ano permite prédios de até 50 andares, o Gasômetro será comprado pelo município . Com 116 mil metros quadrados, a área na Avenida Francisco Bicalho pertence à União, mas está cedida ao governo estadual e é usada atualmente pela CEG. Outro terreno do governo federal que entrou na mira da prefeitura é o que abriga uma série de antigos prédios da Companhia Docas às margens da Francisco Bicalho, com cerca de 55 mil metros quadrados. O lote hoje tem vários prédios abandonados e pelo menos um deles invadido por famílias. Parte do terreno é ocupada pela quadra da campeã do Grupo Especial do carnaval deste ano, a Unidos da Tijuca. A desocupação desses espaços será negociada, segundo a prefeitura.

Um dos prédios está ocupado por 75 famílias

As duas áreas foram alvo de uma reunião entre o prefeito Eduardo Paes e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que deu o aval para o começo das negociações em torno dos valores do negócio. A prefeitura já havia acertado a aquisição de outros dois terrenos da União na Zona Portuária: a área batizada de Praia Formosa, com 116 mil metros quadrados, nas imediações da Francisco Bicalho, e o Pátio da Marítima, com cerca de 24 mil metros quadrados, vizinho à Cidade do Samba, na Gamboa.

As áreas interessam à prefeitura para capitalizar a Companhia de Desenvolvimento do Porto (Cdurp), que vai leiloar os terrenos no futuro. Segundo o presidente da Cdurp, Jorge Arraes, para comprar o terreno do Gasômetro, a prefeitura, o governo estadual e a União terão que encontrar uma solução jurídica que permita ao estado abrir mão da concessão que detém da área. Já o terreno da Docas demanda negociações com eventuais ocupantes e o reassentamento das famílias. Um dos prédios da companhia é hoje moradia de 75 famílias, que batizaram o local de Quilombo das Guerreiras.

- A CEG precisa de parte da área do Gasômetro, onde ainda mantém uma unidade operacional que controla o ramal de distribuição de gás do Centro e da Zona Sul. Isso deverá ser mantido, mas todo o restante do terreno não está sendo usado - explica Jorge Arraes.

De acordo com o presidente da Cdurp, ainda não há uma estimativa de valores que a prefeitura terá que desembolsar pelos terrenos. Pelas áreas da Praia Formosa e do Pátio da Marítima, o município deverá pagar R$ 33 milhões, numa avaliação feita pela Caixa Econômica Federal. O banco ficará responsável pela avaliação do Gasômetro e do terreno da Docas.

O interesse pelo Gasômetro e pelo terreno da Docas se traduz em números. Com a aprovação da legislação urbanística da Zona Portuária, no primeiro semestre deste ano, essas áreas ganharam os maiores potenciais construtivos da região (50 andares). Somente o Gasômetro, segundo a Cdurp, tem um potencial construtivo de um milhão de metros quadrados.

- Juntos, os quatro terrenos da União na área nos quais a prefeitura tem interesse concentram 70% de todo o potencial construtivo que a legislação aprovada criou na Zona Portuária - diz Jorge Arraes.

Ainda de acordo com o presidente da Cdurp, todas as ocupações irregulares em imóveis do Porto serão mapeadas pela Fundação Euclides da Cunha. A prefeitura quer saber quantas são as famílias morando em terrenos da área. A estimativa é que cerca de 500 mantenham moradia irregular na região. A intenção é que todas sejam reassentadas em projetos habitacionais na própria Zona Portuária.

Congresso ainda precisa referendar MP de Lula

Um dos terrenos em negociação com a Secretaria de Patrimônio da União (SPU), o de Praia Formosa, deverá abrigar, junto com a área da Usina de Asfalto da prefeitura (na Francisco Bicalho), parte das instalações das Olimpíadas de 2016, como as vilas de mídia e dos árbitros e o centro de mídia não credenciada. Os projetos arquitetônicos serão escolhidos por um concurso público, a ser promovido pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB) e que será lançado numa cerimônia na próxima semana.

A compra dos terrenos da União pela prefeitura, contudo, terá que vencer outros entraves jurídicos. A negociação em torno dessas áreas foi facilitada por uma medida provisória editada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No entanto, a negociação ainda precisa ser referendada pelo Congresso Nacional. A MP precisou ser prorrogada há duas semanas por Lula, porque seu prazo de 120 dias de validade já havia expirado sem que os parlamentares tenham votado a matéria.

O terreno do Gasômetro seria revendido ao mercado imobiliário para virar um grande bairro residencial. A área está sendo subutilizada desde que a CEG concluiu, em 2007, a conversão dos imóveis do Rio de gás manufaturado para gás natural. Hoje, apenas um tanque é mantido "inflado", mas como referência à história da região. O presidente da CEG, Bruno Armbrust, chegou a estimar, em agosto, que, para funcionar, a empresa só precisaria hoje de 30 mil metros quadrados.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Brasil finaliza orçamento para Olimpíadas e recebe dicas de Tony Blair

27/10/2010 - Agência Brasil

O governo brasileiro deve apresentar em dezembro ao Comitê Olímpico Internacional (COI) a revisão final da proposta orçamentária das Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. Pela previsão inicial, deverão ser gastos R$ 28 bilhões. Esse valor incui, além das obras específicas para a competição esportiva, melhorias na infraestrutura da cidade, como a reforma do Aeroporto Internacional Tom Jobim-Galeão, urbanização de favelas e obras de saneamento básico.

A informação foi dada pelo ministro do Esporte, Orlando Silva, após participar do encontro As Oportunidades e Desafios do País na Organização da Copa do Mundo de Futebol em 2014 e dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro em 2016, promovido pelo Grupo de Líderes Empresariais (Lide), com a presença do ex-primeiro ministro britânico Tony Blair.

Silva comparou o momento vivido pelo Brasil ao que experimentou Tony Blair na preparação da Inglaterra para os Jogos Olímpicos de 2012. O ministro do Esporte não esperou a palestra de Blair, mas disse que, em encontro que teve com o ex-primeiro ministro, em Londres, ouviu recomendações “interessantes”.

“Ele deu boas dicas e nos disse: tenham paciência e se preocupem com a preparação de legados para o país, com a organização prévia para que, quando as obras começarem, vocês tenham um rumo claro a perseguir. Foi uma lição breve que ele deu lá em Londres”, revelou o ministro brasileiro.

No encontro na capital paulista, Blair disse que a parceria de empresas públicas e privadas nos investimentos é essencial e que os projetos devem levar em conta os efeitos no longo prazo, “não apenas nas três semanas de jogos”. Entre as áreas citadas, apontou a de transporte como uma das prioridades, pois o investimento acaba servindo às comunidades, passado o período das Olimpíadas.

Ele também defendeu maior acesso da população de baixa renda aos esportes de elite como tênis, por exemplo, e salientou que as competições são um meio de aproximação entre pessoas de diferentes credos religiosos e de classes sociais. De acordo com ex-primeiro ministro britânico, os gastos previstos inicialmente nunca se confirmam. “Estaria surpreso se o orçamento final ficasse igual ao valor inicialmente projetado”.

Túneis Zuzu Angel e Acústico entrarão em reforma em dezembro por seis meses

25/10/2010 - O Globo - Isabela Bastos

R$ 12 MILHÕES

RIO - Com um fluxo de 90 mil veículos por dia, paredes cheias de infiltrações e escurecidas pela fuligem e asfalto em precárias condições, os túneis Zuzu Angel e Acústico, que ligam a Gávea a São Conrado, entram em reforma em dezembro. Segundo o secretário municipal de Conservação e Serviços Públicos, Carlos Roberto Osorio, as obras - orçadas em aproximadamente R$ 12 milhões - serão divididas em duas etapas e deverão durar seis meses. Para não atrapalhar o trânsito, os trabalhos se concentrarão no horário da madrugada - da meia-noite às 5h - quando os túneis costumam ser fechados para manutenção.

De acordo com o secretário, numa primeira etapa, a reforma se concentrará na limpeza e recuperação das paredes e dos tetos dos túneis. Para retirar a grossa camada de fuligem que recobre as abóbodas das galerias, serão usados jatos de areia. As infiltrações serão então corrigidas e os trechos em pior estado receberão reforço estrutural. Uma nova pintura, feita em cimento com camada de impermeabilizante, será aplicada por fim nas paredes, para facilitar a manutenção no futuro.

- Testamos cinco produtos nos últimos quatro meses, num pequeno trecho do Zuzu Angel, para chegarmos a uma cobertura que garantisse uma limpeza mais fácil das abóbadas após às obras. A pintura servirá não apenas para clarear os túneis, mas para corrigir imperfeições. Hoje, a faxina é comprometida porque a fuligem está muito aderida às paredes - explica Osorio.

A segunda etapa das obras consistirá na troca do asfalto dos túneis e na implantação de nova sinalização horizontal. Olhos de gato serão instalados no chão e nas paredes, com objetivo de tornar mais segura a circulação pelas galerias. As lâmpadas que hoje iluminam pouca coisa, por conta do estado precário dos túneis, também serão trocadas.

Trabalho será suspenso durante os fins de semana

Para minimizar o impacto no trânsito entre a Barra e a Zona Sul durante as obras, a Secretaria municipal de Conservação e Serviços Públicos pretende adotar o esquema que a CET-Rio já usa na manutenção dos túneis, quando as galerias são fechadas sempre um sentido de cada vez. Osorio disse ainda que os finais de semana, quando o tráfego entre essas duas regiões da cidade fica maior, serão evitados.

- O período de seis meses de obras é maior que o necessário para concluir os trabalhos, exatamente para permitir que a companhia de tráfego possa determinar os melhores dias de interdição. É uma zona de conforto - afirma Osorio.

A reforma do Zuzu Angel e do Túnel Acústico será alvo de duas licitações. A primeira, relativa à limpeza das paredes e troca do asfalto, orçada em cerca de R$ 8 milhões, será lançada na semana que vem. A autorização para essa concorrência foi publicada ontem no Diário Oficial. De acordo com Osorio, nos próximos dias, será publicado um segundo aviso de licitação para a troca das lâmpadas, num pacote de intervenções orçado em R$ 4 milhões. Ainda de acordo com o secretário de Conservação, as obras no Zuzu Angel e no Acústico serão as primeiras de uma série de intervenções prevista para acontecer em todos os túneis da cidade.

Porto Maravilha terá a maior PPP do país: R$ 7,3 bilhões e 15 anos de concessão

26/10/2010 - O Globo - Isabela Bastos

CONTAGEM REGRESSIVA

RIO - As obras que prometem mudar a cara da Zona Portuária do Rio, tirando da paisagem parte do Elevado da Perimetral, já tem data para começar. Em janeiro de 2011, a prefeitura inicia a implantação de uma nova avenida no Porto, chamada Binário, e a perfuração de um mergulhão sob a Avenida Rodrigues Alves, preparando o terreno para a demolição da Perimetral, entre o Arsenal de Marinha e a Avenida Francisco Bicalho . Incluídas na segunda etapa do projeto Porto Maravilha, as intervenções serão executadas pelo consórcio Porto Novo - formado pelas empreiteiras Norberto Odebrecht, OAS e Carioca Engenharia -, escolhido terça-feira o vencedor da primeira Parceria Público Privada (PPP) da cidade. Além de fazer as obras, o consórcio ficará, como uma grande concessionária, responsável pela manutenção dos serviços públicos municipais em toda a área. O valor da PPP foi fixado em R$ 7,3 bilhões por 15 anos de concessão.(Vídeo: Veja como vai ficar a Zona Portuária )

- É a maior PPP do Brasil. O consórcio não apenas fará as obras, como ficará encarregado dos serviços, que vão desde a troca de lâmpadas até a coleta de lixo - diz o prefeito Eduardo Paes.

Pelo cronograma da prefeitura, todas as obras viárias de reurbanização e infraestrutura do Porto - orçadas em R$ 4,2 bilhões - terão que ficar prontas nos próximos cinco anos, a tempo das Olimpíadas de 2016. O Porto receberá parte das instalações olímpicas, como as vilas de mídia e dos árbitros e o centro de mídia não credenciada, entre outros equipamentos. Já os gastos com serviços por 15 anos foi fixado em R$ 3,1 bilhões. O valor total da PPP ficou cerca de R$ 2 bilhões abaixo do previsto pela prefeitura.

A estimativa é que a implantação da Avenida Binário dure dois anos. Com seis pistas (três em cada sentido), a nova via será aberta em paralelo à Avenida Rodrigues Alves, aproveitando ruas subutilizadas da área. Para ligar a Praça Mauá à Avenida Francisco Bicalho, a avenida terá um túnel passando por baixo da sede da Polícia Federal, na Praça Mauá. Dois viadutos serão construídos sobre a Francisco Bicalho para ligar o Binário ao Elevado do Gasômetro e à Linha Vermelha.

Consórcio terá que reurbanizar a região

A prefeitura quer ainda concentrar esforço, nos dois primeiros anos, na perfuração do mergulhão sob a Rodrigues Alves, para permitir a demolição por etapas do Elevado da Perimetral, entre 2013 e 2015. O túnel será construído entre o Arsenal de Marinha e o armazém 5 do porto. A ideia é que o Binário absorva, ao final das intervenções, todo o trânsito local da região, enquanto a Rodrigues Alves, junto com o mergulhão, será transformada numa via expressa, sem sinais.

- A Rodrigues Alves terá seis pistas e o Binário outras seis. Isso fará com que, no futuro, a área do porto tenha 50% mais pistas de tráfego do que temos hoje, contando com a Perimetral - explica o presidente da Companhia de Desenvolvimento Urbano do Porto (Cdurp), Jorge Arraes.

Até 2015, o consórcio terá que implantar quatro quilômetros de túneis e viadutos, reurbanizar 70 quilômetros de ruas da área e a implantar 700 quilômetros de redes de água, esgoto, telefonia, drenagem, gás, entre outros serviços. Do pacote também fazem parte a reurbanização de 650 mil metros quadrados de calçadas, o equivalente a 79 campos do Maracanã; a instalação de sete mil novos postes de iluminação pública e o plantio de 15 mil árvores. O consórcio terá ainda que fazer toda a reurbanização do Morro do Pinto. Vizinhos a este, os morros da Providência e da Conceição tem projetos separados, que vêm sendo executados pela prefeitura.

O contrato com o consórcio será assinado na última semana de novembro. Segundo o presidente da Cdurp, as primeiras semanas do próximo mês servirão para que o consórcio possa constituir juridicamente uma empresa para ficar à frente da PPP e captar o seguro que garantirá a proposta vencedora. Os serviços públicos municipais na área não serão também transferidos imediatamente ao consórcio.

Segundo o presidente da Cdurp, dentro da PPP foram estabelecidos padrões de serviços a serem seguidos durante e depois das obras. Com base nisso, serão feitas reuniões com todas as empresas e autarquias da prefeitura que realizam os serviços atualmente - como Comlurb, RioLuz e RioÁguas - para fechar um cronograma gradativo da transferências dessas atribuições para o consórcio.

- Temos uma perspectiva de aumento populacional de 20 mil para cem mil pessoas nessa região nos próximos 15 anos, e o padrão de serviços definido dentro da PPP acompanha essa estimativa - complementa Arraes.

O financiamento das obras será feito, num primeiro momento, com recursos do FGTS. Para cobrir a operação financeira, remunerando de volta o fundo de garantia, a prefeitura espera começar a vender certificados de potencial adicional de construção, as chamadas Cepacs, ainda este ano. Segundo o presidente da Cdurp, a prefeitura deverá receber o aval da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para começar a leiloar as Cepacs na semana que vem. Os leilões serão realizados na Bovespa.

- Mas queremos que o primeiro leilão seja feito, simbolicamente, na Bolsa de Valores do Rio - diz o prefeito Eduardo Paes.

Para evitar obstáculos à revitalização da Zona Portuária, Paes anunciou terça-feira que decidiu sepultar uma obra viária anunciada no ano passado para a região, mas que não estava incluída no pacote da PPP: a construção de um viaduto de dois andares, como o Elevado do Joá, sobre a Rua São Cristóvão. O viaduto permitiria a ligação direta do Túnel Rebouças com a Avenida Brasil e a Ponte Rio-Niterói, sem passar pela Avenida Francisco Bicalho, eliminando um gargalo que hoje atormenta a vida de milhares de motoristas.

Segundo Paes, ele foi convencido por técnicos da prefeitura de que a construção do viaduto desvalorizaria o terreno do gasômetro, considerado o de maior valor construtivo do projeto Porto Maravilha. Na área, poderão ser construídos prédios de até 50 andares, segundo lei aprovada este ano pela Câmara de Vereadores. O viaduto diminuiria o tráfego da Francisco Bicalho em cerca de 20%, segundo estimativa da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET-Rio). Por ali passam hoje 162 mil veículos diariamente. Com 930 metros de extensão, o novo viaduto interligaria a Linha Vermelha à Perimetral e custaria R$ 37 milhões.

Leia mais:
Porto Maravilha: Rodrigues Alves vai se tornar via expressa
Imóveis na Zona Portuária poderão ser desapropriados

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Chafariz da Glória receberá barreira de vidro para conter vândalos

25/10/2010 - O Globo - Jacqueline Costa

RESTAURADO 4 VEZES

RIO - Depois de quatro restaurações e cinco depredações no mesmo ano, o Chafariz da Glória vai ganhar uma proteção blindada. A intenção é proteger o monumento - construído em 1742 pelo Marquês do Lavradio e tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan) em 1938 - de novas ações de vandalismo. A obra será a primeira do Rio de Janeiro a contar com esse tipo de proteção, de acordo com o Superintendente do Iphan no Rio, Carlos Fernando Andrade:

- O vidro é pregado direto no chão e não prejudicará a visibilidade do monumento. É uma experiência para salvar um bem que é atacado com muita frequencia. Cada vez que ele é restaurado, são causados novos danos à peça, pois é preciso utilizar produtos químicos e abrasivos para limpá-lo. Ainda não conheço esse tipo de proteção no Brasil. Instalar câmeras não funciona, porque a câmera apenas mostra quem foi o culpado, mas o prejuízo já foi causado.

Segundo o superintendente, em 2010, a prefeitura reformou duas vezes o chafariz e o Iphan mais duas. Ele acrescenta que já foram gastos cerca de R$ 80 mil em restaurações só este ano. Os recursos para a instalação do vidro, cerca de R$ 65 mil, já foram liberados e a licitação foi concluída. Em dez dias, a novidade já deve estar instalada. Como a fonte fica entre dois prédios, apenas a frente de vidro será necessária. No total, o paredão terá 13 metros de largura por 2,40 metros de altura.

Desde que começou a ser restaurado, em setembro do ano passado, o Chafariz da Glória já foi pichado e serviu de banheiro para moradores de rua. No último ataque, no fim de setembro, o monumento foi totalmente pichado e, o mais grave, teve incendiada uma bacia superior junto à parede de argamassa.

Arquiteto do Iphan responsável pela obra, José Ribeiro explica que o vidro tem 16 milímetros de espessura e é resistente até a armas de fogo. Cada lâmina pesa 40 quilos.

domingo, 24 de outubro de 2010

Cedae começa a instalar nova elevatória no Recreio dos Bandeirantes

22/10/2010 - Renata Leite

ESGOTO

RIO - A Cedae iniciou, nesta sexta-feira, a instalação de uma rede coletora de esgoto na comunidade do Terreirão, no Recreio dos Bandeirantes. A nova elevatória estará pronta em um ano e terá capacidade para receber o esgoto de cerca de 120 mil habitantes. Hoje, todo os dejetos da comunidade vão parar no Canal das Taxas, poluído e assoreado.

Segundo Wagner Victer, presidente da Cedae, a nova estrutura estará interligada à Elevatória do Recreio, inaugurada em março, de onde o esgoto começa um trajeto até o Emissário Submarino da Barra. A Elevatória do Recreio atende ao entorno da Bacia Glaucio Gil.

- São cerca de 1.400 imóveis já conectados, fora 300 que se recusaram a regularizar o despejo. Enviamos estes casos para o Ministério Público. A Elevatória do Recreio transfere de 300 a 400 litros de esgoto por segundo para o sistema principal - disse Victer, durante o lançamento das obras, no Canal das Taxas.

O presidente da Cedae anunciou para o fim do ano a inauguração de redes coletoras de esgoto na Barra e em Curicica. Estão previstas para começar em breve as obras de uma elevatória na Vila Olímpica.

- Posso garantir que todos os compromissos que assumimos com o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) serão executados - disse Victer.

Leslie Kikoler, relações governamentais do COB, esteve sexta-feira no Canal das Taxas e se disse satisfeito com o andamento das obras de saneamento na Zona Oeste:

- Muitos concorrentes na disputa para sede dos Jogos duvidavam de que o Rio pudesse cumprir as promessas relacionadas a meio ambiente. Estamos mantendo o Comitê Olímpico Internacional informado sobre todas as ações feitas pela Cedae.

Rock in Rio deixará herança socioambiental

POR UM MUNDO MELHOR


Publicada em 23/10/2010 às 21h38m
23/10/2010 - O Globo - OJacqueline Costa
Divulgação
RIO - Faltam 333 dias para o Rock in Rio, que volta às suas origens, na Barra da Tijuca, após dez anos, no dia 23 de setembro de 2011. Lado a lado com a contagem regressiva para preparar todos os detalhes do festival de música, anda também o ambicioso projeto Por Um Mundo Melhor, um dos pilares do evento. Roberta Medina, vice-presidente do Rock in Rio, explica que até 5% da receita obtida com a venda de ingressos serão destinados a promover ações socioambientais. Uma das novidades do evento será uma rua cenográfica, a Rock Street, inspirada em Nova Orleans (EUA), onde haverá bandas de street jazz se apresentando. A área terá ainda bares e restaurantes.
O GLOBO é o jornal oficial do evento
Até agora, as nove edições do evento - três no Brasil, quatro em Portugal e duas na Espanha - já resultaram no investimento de quase cinco milhões de euros (cerca de R$ 11,7 milhões) em iniciativas como construção de salas de aula, compra de equipamentos para instituições de auxílio à infância e à juventude, além do plantio de árvores para compensar a emissão de carbono. Roberta lembra que, em 2001, o festival arrecadou recursos para que 3.200 jovens de baixa renda, entre 17 e 29 anos, concluíssem seus estudos em cem salas de aula montadas em comunidades carentes do Rio. Outros 29 projetos financiados pelo festival, através da Unesco, beneficiaram milhares de pessoas em todo o Brasil.
A executiva diz que as novas ações socioambientais ainda não estão decididas, mas adianta que 1,5 milhão de alunos de escolas públicas cariocas serão impactados. E acrescenta que, durante o evento, será realizada uma série de brincadeiras interativas e atividades lúdicas, convidando o público a pensar de uma maneira diferente em relação à sustentabilidade.
Divulgação
Para o publicitário Roberto Medina, idealizador do Rock in Rio, muito mais do que um festival com as melhores bandas internacionais e nacionais como ocorreu nas edições anteriores, o evento de 2011 será um grande movimento de mobilização.
"A música é um veículo para unir as pessoas e fazer com que elas reflitam sobre a possibilidade de um mundo melhor. Temos um déficit social impressionante. O Rock in Rio é tão complexo e difícil de ser realizado que a parte social é um estímulo para continuarmos o projeto. O evento na Espanha, por exemplo, resultou no plantio de 30 mil árvores" - diz, acrescentando que serão criados quatro mil empregos diretos.
Em 2008 e 2010, foi lançado em Portugal o concurso "Rock in Rio escola solar", para conscientizar estudantes sobre a importância do combate às alterações climáticas e da construção de um mundo mais sustentável, incentivando jovens a desenvolverem projetos em suas comunidades. Em parceria com empresas, o festival instalou 760 painéis solares em 40 escolas vencedoras. A energia gerada pelos painéis é vendida, e a renda vai para projetos de solidariedade nos próximos 15 anos.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Centro Cultural de Tradições Nordestinas será revitalizado e terá fachada modificada

22/10/2010 - Portal da Prefeitura

Serão investidos R$ 11,7 milhões na mudança da fachada, pintura e reforma no interior do Pavilhão

Foto: Banco de Imagem/Prefeitura do Rio

A RioUrbe, empresa vinculada à Secretaria Municipal de Obras, lança edital de licitação para as obras de revitalização do Centro de Tradições Nordestinas Luiz Gonzaga. A prefeitura vai investir R$ 11,7 milhões na reforma do equipamento e a previsão é de que as obras sejam concluídas em um ano.

O projeto de revitalização do Pavilhão de São Cristóvão é baseado em referências nordestinas e materiais típicos, como forma de preservar a cultura da região. Para isso, a reforma prevê mudanças na fachada, que vai receber um grande painel com lonas que remetem a rendas típicas nordestinas. Na entrada serão colocados mastros com as bandeiras dos estados brasileiros e serão feitos painéis com pinturas e elementos decorativos.

No interior do Centro Cultural, os palcos vão ganhar nova pintura, o piso será trocado e a estrutura será recuperada. Localizada no centro do Pavilhão, a Praça dos Repentistas terá uma arquibancada em forma de mini-anfiteatro. A pavimentação interna passará por uma limpeza com hidrojateamento e aplicação de pintura acrílica. O local terá uma nova programação visual com postes e placas sinalizadoras de ruas e instalações elétricas, identificações visuais de lojas. Totens e painéis iluminados com mapa da feira serão recuperados; palcos e fachadas terão iluminação cênica.

O Pavilhão também passará por serviços de inspeção, limpeza e desobstrução das redes de água, esgoto e drenagem.

Prefeitura entrega primeiros postos de salvamento reformados

22/10/2010 - Prefeitura

Postos ganharam nova programação visual, além de pintura e reparos em sua estrutura e equipamentos

A Secretaria de Conservação e Serviços Públicos, por meio da empresa concessionária Orla Rio, concluiu a reforma de dois dos 27 postos de salvamento da orla do Rio, o 9 (Ipanema) e o 12 (Leblon), conforme o cronograma de serviços da Operação Verão.

Os postos ganharam nova programação visual, além de pintura e reparos em sua estrutura e equipamentos. Até dezembro, todos os postos terão sido reformados e estarão em pleno funcionamento.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Favela da Providência


acervo Portal 2014

http://www.copa2014.org.br/noticias/5592/MORAR+CARIOCA.html

Novo camelódromo do Rio terá escada rolante e terraço com jardim

21/10/2010 - G1 RJ

Local no Centro da cidade terá também praça de alimentação. 

Obras custarão cerca de R$ 10 milhões, de acordo com Secretaria.

Com investimentos orçados em R$ 10 milhões, a prefeitura do Rio abriu licitação para a construção de um novo camelódromo nas proximidades da estação de trem Central do Brasil, no Centro da cidade. Serão erguidos dois prédios em um terreno que fica a cerca de 200 metros do local onde funcionava o antigo, alvo de constantes incêndios, na Rua Senador Pompeu. O novo local contará com elevadores de carga, escadas rolantes, praça de alimentação e terraço com jardins.

Segundo a RioUrbe, a empresa vencedora da licitação será anunciada no dia 25 de novembro.
Projeção mostra como deve ficar o novo camelódromo no entorno da estação de trem Central do Brasil
Projeção mostra como deve ficar o novo camelódromo no entorno da estação de trem Central do Brasil (Foto: Divulgação/RioUrbe)

A Secretaria municipal de Obras explicou que a construção, que terá o nome de Mercado Popular da Central, ocupará uma área construída de 2518 m² e 607 boxes, onde os comerciantes poderão montar seus pontos de venda. Ainda de acordo com a Secretaria, a previsão inicial é que as obras sejam concluídas em um ano.

Em abril, um incêndio atingiu grande parte do camelódromo. Na ocasião vários boxes foram danificados e comerciantes ficaram no prejuízo.

Um dia após o acidente, o presidente da Emop (Empresa de Obras Públicas), Ícaro Moreno, anunciou que os destroços seriam removidos e no logo seria erguido um novo terminal rodoviário.

Plataforma projetada para Corcovado não vai interferir na visão do monumento, diz arquiteto

20/10/2010 - O Globo - Selma Schmidt

DISCRETA

RIO - A plataforma projetada pelo arquiteto Maurício Prochnik para o Corcovado não será vista de baixo. Ao detalhar o projeto, elaborado a pedido do Parque Nacional da Tijuca, Prochnik explicou que a estrutura, destinada a receber os visitantes que chegam de trenzinho e van, foi idealizada de modo a ser a mais discreta possível, para não interferir em bens tombados: o Penhasco do Corcovado e a estátua do Cristo Redentor. Será construída uma laje de concreto, envidraçada nas laterais e com clarabóias no teto. Os trechos em concreto do teto serão recobertos por plantas nativas de pequeno porte.

- A cobertura verde tornará a estrutura discreta, mesmo do alto - disse o arquiteto.

Com cem metros de comprimento, oito metros, em média, de largura e um andar, a plataforma será construída sobre lojas, bares e a casa do gerador existentes, que serão demolidos. Passará ainda sobre a estação de embarque e desembarque do trenzinho e um trecho da linha férrea. O espaço terá dois conjuntos de sanitários, uma loja de suvenires e um posto médico. Sete catracas permitirão limitar a visita ao monumento a 1.200 pessoas ao mesmo tempo, como informou, nesta quarta-feira, Ancelmo Gois, em sua coluna no GLOBO.

- Com o controle, evitaremos a aglomeração na plataforma superior e ofereceremos mais conforto e qualidade aos visitantes - disse Bernardo Issa, chefe do Parque Nacional da Tijuca, que iniciou contatos com empresas, a fim de encontrar parceiros para ajudar na realização das obras, estimadas entre R$ 15 milhões e R$ 20 milhões.

Conclusão da Cidade da Música fica para 2011

20/10/2010 - O Globo - Renata Leite

REINAUGURAÇÃO ADIADA

RIO - O fim das obras da Cidade da Música - que já consumiram R$ 431,3 milhões em recursos públicos e dispõem de mais R$ 50 milhões direcionados pelo governo atual - foi novamente adiado. A Secretaria municipal de Obras (SMO) prevê a reinauguração do espaço em julho de 2011, enquanto última data divulgada pela prefeitura apontava para novembro deste ano.

A secretaria informou, por e-mail, que a data divulgada anteriormente era apenas uma estimativa. Após estudos mais aprofundados para montagem de um cronograma de obras, houve a necessidade de realizar adequações no prazo. A execução do projeto foi retomada no dia 5 de abril deste ano, após ter sido suspensa pelo prefeito Eduardo Paes, em janeiro de 2009 - logo após ele assumir o cargo.

Segundo a SMO, cerca de 75% das obras estão prontas, faltando toda a parte eletromecânica da Grande Sala; a impermeabilização dos lagos; a instalação de bombas hidráulicas para tratamento da água; a iluminação pública da obra; o revestimento dos muros no entorno; a rede de combate à incêndio; e o tratamento acústico na Grande Sala e na Sala de Música de Câmara. Ainda será feita a instalação de elevadores e refletores de alta potência no local.

O acabamento de setores como cinemas e restaurantes ficará por conta dos futuros operadores desses espaços - empresas privadas que receberão uma concessão.

O gasto total com o projeto deve ficar em R$ 481,3 milhões, quando o custo inicial estava previsto para R$ 80 milhões. Ainda assim, o valor final está abaixo dos mais de R$ 600 milhões estimados pela CPI da Câmara de Vereadores.

Mesmo com a concessão dos espaços a empresas, auditorias contratadas pelo ex-prefeito Cesar Maia, apenas quando as obras já estavam em andamento, projetavam um prejuízo operacional de R$ 247 milhões, em 25 anos, para manter a Cidade da Música.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Igreja de Nossa Senhora da Penha

03/10/2010 - Curiosidades Cariocas - Carlos Henrique Brack

Originou-se de capela construída em 1635 pelo português Baltazar de Abreu Cardoso em suas terras. Consta que ele subia a pedra para ver, do alto, suas plantações, quando foi surpreendido por uma enorme cobra. Ao invocar Nossa Senhora, apareceu um lagarto que atacou a cobra. Grato à intervenção, construiu uma pequena igrejinha.

Mais tarde, doou todas as suas terras à Virgem Maria, surgindo, em 1728, a Venerável Irmandade de Nossa Senhora da Penha que construiu uma nova igreja, com torre e sinos, no lugar da igrejinha inicial. Em 1870, foi construída uma nova igreja ampliada em 1900, quando ganhou duas torres que passariam a abrigar um carrilhão vindo de Portugal e inaugurado em 1925.

A igreja fica no alto de um penhasco, ao topo de uma escada de 382 degraus escavados na rocha por iniciativa de um casal que recebeu, em 1819, uma graça. Muitos fieis a sobem de joelhos, em pagamento de promessas. Hoje, é um santuário muito freqüentado, principalmente no mês de outubro.

O interior da igreja é bastante simples, apenas um altar na capela-mor com a imagem da padroeira. A Igreja foi tombada pelo Município, em 1990.

As fotos mostram a igreja em 1920, na atualidade (vendo-se, ao fundo o Aeroporto do Galeão) e o povo na escadaria em uma das festas.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Olimpíada e UPPs inflacionam preços nos bairros do Rio de Janeiro

18/10/2010- R7 - Sérgio Vieira

Cexemplo há as melhorias em infraestrutura (transporte, rede hoteleira, indústria etc), também por causa da Copa do Mundo de 2014; as perspectivas de crescimento econômico originadas com os ganhos do pré-sal; e, ainda, a implantação das UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora), já que alguns bairros da cidade estão se beneficiando com redução da violência. No geral, segundo especialistas, os terrenos e imóveis - que já não eram baratos - valorizaram-se em todos os bairros da cidade.

Um levantamento realizado pelo R7 confirma os dados e mostra que o superaquecimento não dá sinais de redução, pelo menos nos próximos meses. Para alugar ou comprar imóveis no Rio é preciso desembolsar até 112% a mais na comparação, nos últimos 12 meses, com bairros de alto nível, por exemplo, da cidade de São Paulo, de acordo com os dados da CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção).

Para Leonardo Schneider, vice-presidente do Secovi Rio (sindicato de habitação), "tanto a Copa quanto a Olimpíada estão colaborando para aumentar os valores dos imóveis em toda a cidade, em especial nas regiões que já possuem excelente infraestrutura ou que serão beneficiadas com novos investimentos".

Segundo pesquisa da consultoria inglesa Jones Lang LaSalle, o Rio está na mesma fase que Barcelona (Espanha) e Atenas (Grécia) estavam quando sofreram um boom imobiliário nos anos anteriores à Olimpíada, o que não ocorreu com cidades como Atlanta (EUA) e Sidney (Austrália), que já eram bastante organizadas.

Os Jogos Olímpicos de 2016 vão revitalizar por completo toda a região da zona portuária (que será transformada em área de lazer) e o trânsito deve ficar mais organizado com a criação do corredor T5 (via de ônibus expresso que ligará a zona norte à Barra da Tijuca, na zona oeste). Além disso, a construção da linha quatro do metrô, que ligará a zona sul à Barra da Tijuca, colabora para dar gás novo para o mercado imobiliário de Ipanema à Barra.

.Ainda de acordo com Schneider, além dos eventos esportivos, os programas de incentivo ao crédito, com prazos e valores maiores a juros menores, também contribuem para elevar a procura por imóveis na capital fluminense.

Já para Antônio Paulo Monnerat, vice-presidente de locações do Secovi Rio, o aumento da segurança em muitos bairros (Flamengo, Copacabana, Tijuca e arredores) é o que reflete a alta dos preços verificada nos últimos 12 meses.

- A valorização vem ocorrendo por conta da consolidação do projeto das UPPs em comunidades da zona sul e do aumento da demanda, que vem acompanhado de oferta ainda tímida. Desde o anúncio da criação das UPPs, o mercado imobiliário da Tijuca e arredores tem se tornado mais atraente. Pesquisa do Secovi Rio revelou que houve alta de até 148,89% nos valores dos aluguéis e de 59,41% nos preços para venda em bairros beneficiados por UPPs na zona sul.

No ranking geral, de acordo com o Secovi Rio, os bairros mais caros do Rio de Janeiro, em outubro de 2010, são Leblon, Ipanema, Lagoa, Gávea, Jardim Botânico, Copacabana, Arpoador, Botafogo, Flamengo, Laranjeiras, todos na zona sul, e Barra da Tijuca, na zona oeste. Veja abaixo mais informações sobre cada um.

Leblon e Ipanema

No topo do ranking, o metro quadrado mais caro no Rio de Janeiro se localiza no Leblon, com custo médio de R$ 11.964. Em segundo lugar está Ipanema, que possui valor médio de R$ 11.392. Se considerarmos os bairros vizinhos ao Leblon (Ipanema e Arpoador), o valor do metro quadrado pode ficar perto de R$ 18.000.

No entanto, está na avenida Vieira Souto (Ipanema) o imóvel com valor mais alto encontrado: R$ 19.683 o metro quadrado, segundo levantamento do Creci (Conselho Regional dos Corretores de Imóveis do Rio de Janeiro).

No Leblon, há oito anos, havia imóveis por R$ 500 mil, mas atualmente é muito raro encontrar qualquer apartamento por menos de R$ 1 milhão. Os preços do aluguel de um apartamento de um quarto no Leblon, no período de um ano, entre setembro de 2009 e setembro de 2010, aumentaram mais de 102%.

O alto valor pedido para os imóveis situados na orla das avenidas Vieira Souto e Delfim Moreira (Leblon) refletem a falta de novos terrenos para construção e a alta procura, na análise de Antônio Paulo Monnerat, vice-presidente de locações do Secovi Rio.

- No Leblon, além das poucas construções, a demanda é enorme. O bairro ainda é sonho de consumo de muitas pessoas que melhoraram a renda.

Lagoa, Gávea e Jardim Botânico

A tranquilidade e a qualidade de vida da Lagoa valem R$ 14.956 o metro quadrado na região mais valorizada, mas, de acordo com o Secovi Rio, o custo médio fica em R$ 9.101 o metro quadrado. O bairro carioca, às margens da lagoa Rodrigo de Freitas, tem o maior IDH (Índice de Desenvolvimento Urbano) da cidade e concentra uma população bastante homogênea, de alto poder aquisitivo e imóveis que variam de R$ 700 mil a coberturas de R$ 3 milhões.

Ao lado, a Gávea e o Jardim Botânico também não deixam a desejar. O preço médio na região fica em R$ 11.798 (com valor médio de R$ 7.790) e R$ 10.559 (com valor médio de R$ 7.599), respectivamente. Além dos três bairros acima estarem aos pés do Cristo Redentor, o Jardim Botânico e a Gávea atraem moradores jovens com perfil parecido com o da Lagoa, em busca de ambiente mais calmo, longe da movimentação de outros bairros próximos, como Copacabana.

Copacabana e Arpoador

A famosa Copacabana também observa crescimento bastante acentuado nos valores praticados na região e leva a sexta posição no ranking. O valor do metro quadrado na "Princesinha do Mar" chega a R$ 9.669 nos pontos mais caros, com custo médio de R$ 6.902. Além da bela praia, o bairro é conhecido por apresentar o maior índice de população na terceira idade no mundo.

O Arpoador, que se localiza entre o forte de Copacabana e o começo da praia de Ipanema, tem custo médio de R$ 6.782, mas pode alcançar R$ 8,754 na divisa com a avenida Vieira Souto. A região, que já foi lar dos surfistas, apresenta espaço restrito, com cerca de 500 metros.

Botafogo e Flamengo (com Laranjeiras)

Em seguida, Botafogo aparece no levantamento com preço médio do metro quadrado em R$ 6.475, podendo alcançar R$ 7.213. No bairro, a maior variação no aluguel foi registrada para os apartamentos de quatro quartos, que passou de R$ 2.075 em setembro de 2009 para R$ 4.975 em setembro de 2010, alta de 139,76%.

Segundo Álvaro Spezin, sócio do Portal Imóveis de Luxo, a segurança proporcionada pelas UPPs na região contribuiu para aumentar os preços dos imóveis e nos arredores, com destaque para Flamengo, Laranjeiras e Humaitá.

No Flamengo, o preço médio chega a R$ 6.347, muito próximo do patamar de Laranjeiras, onde o metro quadrado alcança R$ 5.918. O mercado imobiliário destes bairros cresce desde 1979, quando o metrô chegou à região.

O perfil dos habitantes se encontra entre 25 e 36 anos, de classe média e média-alta, com alguns apartamentos de alto-luxo situados na avenida de frente para a orla (praia do Flamengo e avenida Rui Barbosa).

Barra da Tijuca

Apesar do alto status, a Barra da Tijuca conquistou a décima colocação no levantamento entre os bairros mais caros do Rio de Janeiro. O metro quadrado médio fica em R$ 5.518, alcançando R$ 8.457 nos lugares mais caros. A explicação é simples. A região é relativamente nova e ainda possui muitos terrenos para expansão. Desde a década de 1990, a Barra cresceu 44%, segundo dados da Ademi Rio (Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário).

A visão oficial

O secretário de desenvolvimento do Instituto Pereira Passos, Felipe Góes, afirmou em evento realizado no Palácio da Cidade, em Botafogo, na zona sul, que o alto preço dos imóveis para alugar ou vender na cidade do Rio de Janeiro não preocupa a prefeitura, ao contrário, é sinal de "desenvolvimento".

- Não me preocupa e nem preocupa a prefeitura que o Rio de Janeiro tenha o metro quadrado mais caro do Brasil. O que nos importa é encontrar terrenos disponíveis para viabilizar novas construções, isso sim é o que nós estamos correndo atrás.

Revitalizada, Lapa carioca é alvo do varejo e residenciais também avançam na região

19/10/2010 - Folha de São Paulo - Cirillo Junior

Tradicional reduto de bares e restaurantes, o bairro carioca da Lapa vem mostrando um novo perfil, na esteira da revitalização e do aumento de residências na região. O comércio local ganha novas lojas, inclusive redes varejistas, deixando para trás a marca de que a Lapa é apenas um bairro boêmio.

Nos últimos seis meses, foram abertas, pelo menos, 12 novas lojas comerciais no bairro, segundo dados da Junta Comercial do Rio.

Grandes redes como Lojas Americanas, Ricardo Electro e Casa & Video já se instalaram ali, mas a expansão não deve parar por aí. Petrobras e Eletrobras vão ocupar grandes prédios na região, e os imóveis no entorno apresentam valorização de até 50%.

No centro empresarial Senado, onde a Petrobras vai se instalar, estão previstas lojas comerciais, a partir do final do ano que vem.

Em funcionamento na Lapa desde o fim de 2009, a Casa & Video quer aproveitar o fluxo de turistas que procuram a vida noturna da região e planeja funcionar até mais tarde às sextas e sábados.

É nesses dias que as principais ruas da região fecham a partir das 22h, para a circulação apenas de pedestres. A loja funcionava até as 20h, mas já teve o horário estendido por mais duas horas.

"O movimento está um pouco acima de nossas expectativas, há uma rotatividade muito grande de pessoas na região", afirma Célia Ramires, gerente de expansão da Casa & Video.

A rua do Riachuelo, que atrai milhares para dançar em casas como o tradicional Clube dos Democráticos e o novo Lapa 40º, concentra boa parte das novas lojas.

A rede de perfumes O Boticário também está ali, há um ano. Gerente da loja, Elisângela Albuquerque comenta que o comércio do bairro começa a alterar, aos poucos, seu perfil. "Antes, era só mercado e bar. Agora, a coisa está mais diversificada."

Residência

O comércio na Lapa cresce impulsionado pelo crescimento de imóveis residenciais na região. O aumento no número de moradores ocorreu após a revitalização do bairro, iniciada por donos de bares e restaurantes.

Com a vocação boêmia recuperada, a Lapa voltou a ser uma das referências da noite carioca. Só assim o poder público passou a direcionar maior atenção para o local.

As construtoras começaram a apostar no bairro. Três condomínios foram erguidos na região, adicionando 1.634 unidades residenciais. O maior deles é o Cores da Lapa, com 1.376 apartamentos. No Viva Lapa, uma unidade de dois quartos, vendida por R$ 80 mil há três anos, já custa até R$ 140 mil.

No entanto, há dificuldades para manter essa expansão. Um dos primeiros bairros do Rio a ser urbanizado, a Lapa possui poucos espaços físicos para a construção de empreendimentos, e algumas empresas estão reaproveitando prédios já erguidos.

"Todos estão procurando por ali. Todo mundo acha a Lapa um mercado maravilhoso", diz Rogério Chor, presidente da Ademi (Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário).

Governo do Rio e Fundação Roberto Marinho estabelecem convênio para construção do Museu do Amanhã

19/10/2010 - O Globo - Renata Leite

PARCERIA

RIO - O governador do Rio, Sergio Cabral, assinou nesta terça-feira o documento que estabelece um convênio com a Fundação Roberto Marinho para construção do Museu do Amanhã, na Região Portuária. O projeto, que ocupará um espaço de 12.500 metros quadrados, no Píer Mauá, faz parte do Projeto Porto Maravilha. Serão investidos R$ 130 milhões, recursos em sua maior parte da Prefeitura do Rio. O estado investirá R$ 24 milhões do montante. A Fundação Roberto Marinho ficará responsável pelo conteúdo apresentado no museu, que terá suas obras iniciadas no ano que vem.

Estiveram presentes no evento, além do governador, o presidente da fundação, José Roberto Marinho; o secretário-geral da instituição, Hugo Barreto; a secretária de Estado do Ambiente, Marilene Ramos; e o vice-governador, Luiz Fernando Pezão. A ideia é que o museu traduza em termos palatáveis e lúdicos conceitos tecnológicos, científicos, e de sustentabilidade.

- Queremos falar do futuro de modo didático, no Rio, que é um lugar privilegiado e vai chamar muita atenção daqui para frente. Vejo cada vez mais, na prefeitura e no governo do estado, a preocupação com a questão ambiental. A cidade vai ser a capital da sustentabilidade - disse, José Roberto Marinho, durante o evento.

O empreendimento seguirá a linha interativa de dois outros projetos de sucesso da fundação, ambos localizados em São Paulo: o Museu do Futebol e o Museu da Língua Portuguesa. Com projeto arquitetônico de Santiago Calatrava, a nova atração da cidade não resgatará apenas elementos do passado, mas será uma plataforma para se pensar o futuro.

- Vamos apresentar um diálogo entre tendências e possibilidades. A humanidade está vivendo um momento crucial. Nossas escolhas hoje vão ter impactos consideráveis amanhã - disse Hugo Barreto durante sua apresentação no evento.

Cabral ressaltou a importância do empreendimento para o turismo:

- Hoje, as grandes cidades brigam por tempo de permanência dos visitantes. Essa será uma atração nova para que os visitantes brasileiros e estrangeiros permaneçam por mais tempo em nossa cidade.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Aluguéis na Zona Sul têm alta de até 139%

17/10/2010 - O Globo 

Botafogo, Copacabana e Leblon foram os bairros que apresentaram as maiores variações nos preços dos aluguéis, entre os meses de setembro 2009 e deste ano. É o que diz levantamento feito pelo Centro de Pesquisa e Análise da Informação do Secovi Rio (Cepai).

Em Botafogo, a maior variação, de 139,76%, foi registrada para os apartamentos de quatro quartos, cujo aluguel passou de R$2.075 a R$4.975 no período de um ano. Já em Copacabana, a locação das unidades de dois quartos subiu de R$1.609 para R$3.463, ou seja, uma alta de 115,23%. No Leblon, os inquilinos que pagavam, em média, R$1.539 de aluguel por um imóvel de um quarto há um ano, pagam agora R$3.120 (102,73%).

Variações menores em Gávea, Recreio e Méier

Na avaliação do vice-presidente de Locações do Secovi Rio, Antonio Paulo Monnerat, essa valorização foi puxada, principalmente, pela consolidação das UPPs na Zona Sul e pela oferta tímida de imóveis.

- Botafogo é o único bairro da Zona Sul onde as construtoras estão conseguindo levantar edifícios. No Leblon, onde há poucas construções, a demanda é enorme, pois o bairro continua sendo o sonho de consumo de muita gente.

Por outro lado, os bairros que tiveram a menor variação nos preços dos aluguéis foram Gávea, com 16,50% (no caso dos imóveis de dois quartos); Recreio, com 4,24% (unidades de quatro quartos) e Méier, com 3,01% (um quarto).


domingo, 17 de outubro de 2010

Zona Oeste terá novas ciclovias

17/10/2010 - O Dia 
Rio - Neste domingo, o prefeito Eduardo Paes vai até o bairro de Paciência dar início àconstrução de 23 km de novas ciclovias da Zona Oeste. Cerca de 50% da população da região precisam de duas conduções para chegar ao trabalho e utilizam a bicicleta como meio de transporte complementar. A ciclovia vai interligar sete bairros da região. Também serão colocadas 1.000 vagas de bicicletários nas estações de trem e no Terminal Rodoviário de Campo Grande. A obra vai durar oito meses e custará R$ 19 milhões.

sábado, 16 de outubro de 2010

Plano de Transportes Não-motorizado do Rio deve ficar pronto em seis meses

14/10/2010 - Setrans DF

A Secretaria de Transportes realizou nesta quarta-feira (13/10) a primeira etapa de um grande seminário envolvendo 27 prefeituras do Rio - sendo 15 da Região Metropolitana e 12 do interior – para iniciar a elaboração do Plano Diretor de Transporte Não-motorizado. Através de um convênio firmado com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o Governo do Rio, via Secretaria Estadual de Transportes, está elaborando um amplo estudo para dotar as cidades da Região Metropolitana e do interior do estado de uma infraestrutura capaz de garantir uma mobilidade segura e adequada para pedestres e ciclistas.

O programa prevê a realização de estudos para a futura implantação de ciclovias, ciclofaixas e bicicletário. As análises serão feitas pelo consórcio que ganhou a licitação do BID, em junho, formado por empresas mundialmente conhecidas pela expertise em planejamento cicloviário - a canadense IBI Group, a brasileira LOGIT e a americana ITDP. Depois de receber os projetos e material de cada prefeitura, o consórcio terá seis meses para apresentar a primeira versão do Plano de Transportes Não- motorizado. O Secretário Estadual de Transportes Sebastião Rodrigues destacou a importância do desenvolvimento de projetos como este como melhorar a mobilidade urbana.

- Há três anos temos o programa Rio, Estado da Bicicleta que tem como um dos objetivos principais estimular o uso da bicicleta como meio de transporte, sobretudo para curtas distâncias e em integração transporte de massa, como ônibus, metrô ou barcas. O uso da bicicleta só traz benefícios: há economia, sustentabilidade e ganho para a saúde. Devemos mudar essa cultura do automóvel. De 1997 a 2007, foram 1,7 milhões de carros a mais só na capital. Se não invertermos essa tendência, o Rio ficará intransitável – salientou Sebastião Rodrigues.

O Brasil é o quinto consumidor de bicicletas do mundo. Atualmente, existem mais de 80 milhões de exemplares no país. Só no Rio o uso de bicicletas cresceu cinco vezes nos últimos 15 anos. As magrelas são utilizadas em cerca de 650 mil deslocamentos feitos na capital diariamente.

Brian Hollingworth, representante do IBI Group, empresa participante do consórcio para o desenvolvimento do TNM do Rio de Janeiro, salientou experiências bem sucedidas em outros lugares do mundo. Em Nova York, por exemplo, nos últimos quatro anos foram construídos mais de 320 km de ciclovias. E nesta década o número de ciclistas na cidade cresceu 80 por cento - É importante pensar na construção de calçadas de pedestres e de ciclofaixas como se pensa a construção de uma estrada: com sinalização adequada e com questões que abrangem a acessibilidade. Cidades como Portland, nos Estados Unidos, Bogotá, na Colômbia, e Montreal, no Canadá, estão tendo bons resultados com planos de transportes não motorizados – ressaltou Brian Hollingworth.

Além do Secretário de Estado de Transportes Sebastião Rodrigues e de representantes do consórcio que desenvolverá o TNM do Rio de Janeiro, participaram do seminário o Subsecretário Municipal de Transportes, Rômulo Ribo, e o Subsecretário de Meio Ambiente da Capital, Altamirando Moraes.

- O estímulo ao uso da bicicleta também é prioridade para a prefeitura da capital. É uma alternativa clara e barata, do ponto de vista de infraestrutura, para a questão da mobilidade urbana. Estudos recentes feitos pelo governo municipal mostram que na Zona Oeste, por exemplo, 53% das pessoas já utilizam bicicleta em parte do deslocamento de rotina.

Foram convidados para o seminário ainda, representantes das prefeituras de Belford Roxo, Duque de Caxias, Itaboraí, Itaguaí, Magé, Maricá, Mesquita, Nilópolis, Niterói, Nova Iguaçu, Queimados, Rio de Janeiro, São Gonçalo, São João de Meriti, Seropédica, Araruama, Barra do Piraí, Barra Mansa, Cabo Frio, Campos dos Goytacazes, Macaé, Resende, Volta Redonda, Rio das Ostras, São Pedro da Aldeia, Saquarema e Valença.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Trecho da Avenida Brasil terá pista ampliada

14/10/2010 - O Globo - 1mSelma Schmidt

Obras na Avenida Brasil. Foto: Gabriel de Paiva - O Globo

RIO - A Secretaria municipal de Obras promete concluir em dezembro uma nova obra na Avenida Brasil, na altura de Manguinhos, para melhorar o tráfego na principal via de acesso ao Rio. Um trecho de 500 metros da pista lateral, sentido Centro, está sendo ampliado. Local de engarrafamentos constantes, o ponto de ônibus próximo ao portão principal da Fiocruz está sendo remanejado para mais adiante. De modelo semelhante à implantada na entrada do BarraShopping, a nova baia, em frente ao segundo portão da Fiocruz, será separada das faixas de rolamento por um canteiro alto, a fim de impedir que os ônibus parem fora do recuo.


Assista à videorreportagem 'Avenida Brasil, uma via abandonada'

As obras, que custarão R$ 15 milhões, começam na altura do viaduto de acesso à Linha Amarela. Nesse ponto, a pista lateral de descida passará de duas para três faixas de rolamento. Para isso, canteiros e calçadas estão sendo reduzidos. É necessário ainda pôr abaixo 1.800 metros cúbicos de rocha às margens da Avenida Brasil.

Outra obra em andamento e voltada para melhoria da fluidez do tráfego na Avenida Brasil é a ampliação do Viaduto de Manguinhos em ambos os sentidos, que custará R$ 21,8 milhões. A capacidade viária do viaduto deve ser aumentada em 33%.

Em 23 de agosto, a prefeitura iniciou ainda a reforma de 17 quilômetros da Avenida Brasil, entre o Caju e o Trevo das Margaridas (entrada da Via Dutra) , que custará R$ 63 milhões. Serão 18 meses de obras, que incluem fresagem, recapeamento e sinalização, além de recuperação de canteiros, calçadas e passarelas de pedestres.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Revitalização da Rodoviária Novo Rio

12/10/2010 - Transportal

O Consórcio Novo Rio, por meio da Socicam, Roderj e Ascotran, realizou a maior reforma do terminal Novo Rio desde sua construção,em 1965. A revitalização, concluída em 2009, beneficiou a população carioca e os 50 mil usuários e turistas que circulam pelo terminal diariamente oferecendo instalações mais modernas e confortáveis, resultado de um investimento da ordem de US$ 10 milhões. A Rodoviária Novo Rio está atualmente preparada para atender a todas as demandas do turismo e do sistema de transporte rodoviário necessários à Copa de 2014 e Olimpíadas de 2016.

“Com essas melhorias, além do incremento ao receptivo turístico do Rio, a nova rodoviária exercerá importante papel no projeto Porto Maravilha em função das intervenções previstas para a área que compreende o entorno do terminal, uma das principais portas de entrada do turismo no Rio. Inclusive, está sendo desenvolvido pelo Ministério Público, um projeto em benefício do entorno do terminal, principalmente para a área que compreende a Avenida Francisco Bicalho e a Praça Gentileza, na entrada principal da Novo Rio”, explica Roberto Faria, diretor de Operações da SOCICAM.

Com a revitalização, a maioria das instalações foi reformada (setor de embarque, passarela central e setor desembarque superior – tendo o desembarque recebido melhorias em 2004), foram construídos novos conjuntos de sanitários, realizada nova pintura, colocaçãode novos assentos, piso de granito, novo forro para o teto, além do incremento na iluminação, melhoria na comunicação visual e um novo CCO (Sistema de Segurança – Centro de Controle Operacional com 55 câmeras que monitoram todos os pontos do terminal durante 24h, em sistema de gravação de alta definição).

Mas as grandes novidades foram a instalação do sistema de ar condicionado no piso superior, a implantação de dois elevadores panorâmicos (embarque e desembarque) e a construção de uma praça de alimentação.
Entre as reformulações, destaca-se ainda a triplicação da passarela central, que ganhou um design futurista. Nela, está concentrada a maior parte dos guichês (as bilheterias também ganharam novo lay-out, mais humanizado).

Elevadores panorâmicos foram instalados para melhorar a acessibilidade, atendendo aos portadores de deficiência, idosos e gestantes. O novo sistema de ar condicionado foi instalado e, através de um tanque, aproveita água para refrigeração.

“Nosso objetivo principal, e que acreditamos ter alcançado, era realizar o projeto de revitalização da Novo Rio nos moldes dos terminais mais modernos do mundo: implantar um novo conceito em rodoviárias no Brasil, valorizar o comércio local oferecendo mais opções de produtos e serviços, mas principalmente oferecer à população e ao turista um terminal com muito mais conforto, acessibilidade e segurança”, explica Henrique Alves, gestor da Socicam Rio.

A Praça de Alimentação recebeu o incremento de novas marcas como Bobs, Spoletto, coffe-shops e uma bomboniere com buffet de frutas e fondues de chocolate. Novos estabelecimentos comerciais (como O Boticário) e serviços ainda serão inaugurados como agências bancárias, cabeleireiros, papelaria, souvenir, ótica, moda feminina e calçados.

“Em breve, todas as lojas passarão a funcionar 24h, atendendo às necessidades de passageiros que embarcam ou desembarcam durante a madrugada e criando uma nova opção de serviços para a Zona Portuária”, adianta Ronaldo Simões, presidente da Ascotran, associação do comércio da Novo Rio.

Com a revitalização, a rodoviária terá espaço para mais 50 novos estabelecimentos comerciais, sendo 55 lojas e 11 quiosques. A revitalização também foi projetada pelo Consórcio Novo Rio para melhor atender às necessidades dos portadores de deficiência, seguindo as normas de acessibilidade (NBR 9050).

Além dos elevadores, a área interna ganhou assentos reservados, pisos táteis direcionais (nos principais acessos dos salões e próximos ao balcão de informações) e de alerta (orelhões, escadas, rampas e elevadores); novas rampas e escadas com faixas de sinalização de degraus e corrimãos, além de mais vagas no estacionamento.

Na área externa (entradas e saídas do terminal e plataformas de embarque e desembarque) o piso recebeu rebaixamentos e passagens em nível. Pensando ainda na democratização digital, a administração da Novo Rio também investiu em equipamentos que permitem ao usuário utilizar a internet em banda larga através de wireless (serviço gratuito aos proprietários de notebooks) e de lan houses.

Além disso, TVs de plasma estão sendo instaladas no terminal para exibir programação informativa e de entretenimento como partidas de futebol, shows e noticiário, tornando a espera para o embarque mais agradável. A preocupação com a gestão adequada dos resíduos e utilização consciente de recursos como água e energia, cada vez mais essenciais nos dias de hoje, também levou a administração a realizar diversas ações como a coleta seletiva de lixo, instalação de caixas de gordura nos estabelecimentos – cujo material começou a ser processado por um biodigestor e não mais despejado em galerias de esgoto.

No ultimo mês cerca de 1 tonelada de resíduos recicláveis (papelão, garrafas pet, embalagens metálicas etc.) foram destinadas a cooperativas, contribuindo, ainda com geração de renda e mantendo atitudes ecológicas. A meta agora é obter o Selo Verde pelas práticas ambientalmente sustentáveis.

http://www.transportal.com.br/

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Bairro novo em Itaboraí

08/10/2010 - O Globo -  Flavia Oliveira,

Complexo comercial, hoteleiro e residencial fica pronto em 2012

De carona no Comperj, um complexo comercial, hoteleiro e residencial será construído em Itaboraí, a partir do ano que vem. Projeto de R$ 200 milhões de Argopar, de Antônio Arbex (ex- BR Malls); CM Soluções; CPS Consultoria; e CG Malls, o Itaboraí Plaza ocupará terreno de 120 mil m², às margens da BR-101. Será inaugurado em 2012. Os investidores estão interessados nos executivos do Comperj e no aumento estimado em 50% da população local. C&A, Lojas Americanas e Riachuelo já confirmaram presença no shopping, que terá 120 lojas, salas de cinema, hipermercado, universidade e boliche. Ri Happy, de brinquedos, e Magic Games, de jogos eletrônicos, também já assinaram. O lançamento oficial é em novembro, diz Cláudio Guaranys, da CG Malls, que vai administrar o shopping. O empreendimento terá torre comercial com 150 salas e hotel com 200 quartos. O residencial terá 14 prédios e dois mil apartamentos.

Avenida Nossa Senhora de Copacabana - Década de 1950



11/10/2010 - blog Photographias do Rio Antigo  - Lavra

AV. N. SRA. DE COPACABANA ANOS 50

A aparência do local até que não mudou muito. Já os veículos mudaram bastante, sem falar dos bondes. Arrisco dizer que vemos um Morris, um Citroen, um Prefect, um caminhão Chevrolet Tigre, um lotação Mercedes e um ônibus que tinha o apelido de Gostosão e vários bondes.
A foto nos foi enviada pelo nosso amigo Renato Torres Libeck.

Comentários (7):

Em 11/10/2010, às 00:51:55, Ricardo Galeno disse:
É impressão minha, parece que o sinal está virado ao contrário do fluxo de veículos!

Em 11/10/2010, às 05:32:37, Docastelo disse:
Vamos tentar novamente Lavra. Da direita para a esquerda, na primeira fila: um Standard Vanguard, um Citroen, um Ford 51 "canadense", um caminhão com jeito de ser um Internacional - IHC. Na segunda fila: um Belair '54, talvez um Prefect e um Chevrolet. E atrás do "cordão" outro Chevrolet, um "coach gostosão", além dos óbvios lotação e bondes. À esquerda a loja da Barbosa Freitas. Pelos veículos a foto foi batida na metade dos anos '50.

Em 11/10/2010, às 05:44:07, Docastelo disse:
Em tempo: Aquele carro lá no fundo, à direita, atrás do lotação, leva uma "pinta" de ser um Buick.

Em 11/10/2010, às 06:18:11, Lavra | fotologdisse:
O sinal está virado para o fotógrafo poque se refere aos pedestres que atravessam a Rua Santa Clara O Docastelo descobriu as marcas dos carros.

Em 11/10/2010, às 06:27:16, Luiz D´ | página pessoal disse:
O sinal poderia ser para os bondes. Barbosa Freitas e, logo depois, a Cirandinha.

Em 11/10/2010, às 06:59:48, PauloZ disse:
Avenida Copacabana. O caminhão International. O sinal - duplo - é para o motorneiro. Repare a caixa do controle do sinal um pouco mais embaixo no poste. O ponto do bonde (na direção Posto 6) é mais ou menos onde está aquele lotação. O Belair 54 data a foto. É curioso que numa das esquinas mais movimentadas de Copacabana não haja aglomerado de pessoas nas calçadas. A foto foi tirada do prédio da Joalheria Krause.

Em 11/10/2010, às 07:02:26, Alcyone disse:
Esse era o meu pedaço. Depois da Cirandinha, havia uma sapataria que não consigo lembrar-me do nome, a São João Batista, o Metro Copacabana. Comprei muito na Barbosa Freitas, que era uma loja de departamentos fantástica. Acho também, que o sinal era para os bondes. Uma Av.Copacabana, ainda bastante tranquila.