segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Rio começa obras de urbanização no entorno do Maracanã

30/01/2012 - Portal 2014

Orçado em R$ 109,5 milhões, projeto visa a revitalizar arredores do estádio da final da Copa de 2014

Entorno do Maracanã será revitalizado (crédito: SMO/Divulgação)

Começam nesta segunda-feira (30) as obras de urbanização do entorno do Maracanã, estádio que receberá a final da Copa de 2014. A cargo da Secretaria Municipal de Obras (SMO), o projeto inclui a construção de duas passarelas sobre as linhas de metrô e trem, facilitando o acesso à arena.

As intervenções começam pelo trabalho de fundações para construção de uma das passarelas, na altura do Museu do Índio. A outra será erguida em frente à Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj).

As obras de urbanização estão orçadas em R$ 109,5 milhões e não exigem interdição do trânsito.

Em novembro do ano passado, o Tribunal de Contas do Município (TCM) do Rio de Janeiro desaprovou o projeto das obras, que eram de responsabilidade do governo do estado, mas que havia passado a fazer parte dos encargos da prefeitura.

Na ocasião, o representante do TCM, Marcos Mayo Simões, afirmou que o projeto criado pela prefeitura, no valor de cerca de R$ 118 milhões, era inconsistente.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Pioneiro da Barra

24/01/2012 - Istoé

IstoÉ Dinheiro, Moeda Forte, 24/jan

Um dos primeiros grandes empreendimentos da Barra da Tijuca, o CasaShopping, do empresário Luiz Paulo Marcolini, dobrará de tamanho e se tornará um complexo com hotel e centro de convenções. Para o projeto, o maior centro de compras de produtos para casas da América Latina receberá R$ 150 milhões. Cerca de 30% vêm de aporte do BNDES e o restante, de investimento próprio.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

RJ investe bilhões para transferir porto

20/01/2012 - Webtranspo


Projeto tem total apoio do Governo do Estado

O terminal vai contar também com um estaleiro de reparos offshoreO Estado do Rio vai ganhar um importante complexo com investimentos avaliados em R$5,4 bilhões. De acordo com o secretário de Desenvolvimento Econômico, Julio Bueno, o empreendimento Terminais Ponta Negra (TPN), que será instalado na Praia de Jaconé, em Maricá, pela empresa DTA Engenharia, pode ser chamado de Porto do Pré-Sal, já que é destinado à tancagem do óleo a ser produzido naquela região.

A área também tem vocação para se tornar uma das principais âncoras para escoar tanto o óleo do pré-sal para o Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj), em Itaboraí, como para abrigar de volta os derivados petroquímicos lá produzidos.

O porto terá capacidade para receber 850 mil barris de petróleo por dia, o equivalente a 40% da atual produção do País, e vai contar com uma nova tecnologia contra vazamento de óleo.

"Criamos uma tecnologia, que vamos patentear, que reduz o impacto de um eventual vazamento de óleo. Será uma cortina que liga os molhes (estruturas de pedra que cercam o porto, reduzindo as ondas no terminal). No caso de derramamento, ela subirá e deixará o óleo restrito à área do porto", disse João Acácio Gomes de Oliveira Neto, presidente da DTA, empresa que planehou mais de 30 portos no Brasil e no exterior.

O projeto tem total apoio do Governo do Estado, que vai criar acessos ao novo porto a partir do Arco Metropolitano do Rio e pela Estrada de Ferro Leopoldina. A previsão é que a obra seja concluída até 2015, a fim de coincidir com a inauguração do Comperj.

Além da infraestrutura portuária e espaços de armazenagem de combustíveis, o terminal vai contar também com um estaleiro de reparos offshore. "Vamos ter um excelente aproveitamento da área, que oferece condições naturais para as embarcações, com calado de 30 metros muito próximo à costa", afirmou o secretário Julio Bueno. Ainda segunda Bueno, o porto pode ser início da redução de uso do Tebig (o terminal mais usado pela Petrobras no estado, em Angra dos Reis).
 

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Hotel Nacional

09/01/2012 - O Globo, Ancelmo Gois

O grupo que comprou o antigo Hotel Nacional, em São Conrado, Rio, projeto de Oscar Niemeyer, fechado há 16 anos, procura parceiros para devolver os 500 quartos à cidade. E conversa com as construtoras RJZ Cyrela e Ezetec.