domingo, 31 de março de 2013

Praia do Flamengo - c.1950

Copacabana- c.1923

Copacabana - c.1930

Início da explosão demográfica no bairro. Em primeiro plano a rua Barata Ribeiro.

sábado, 30 de março de 2013

Projetos na Baixada já totalizam R$ 5 bilhões

25/03/2013 - Jornal do Commercio, Matheus Gagliano

Arco Metropolitano é o indutor de investimentos na região. Especialistas ressaltam que obras de infraestrutura são fundamentais para evitar crescimento desordenado

Cerca de R$ 5 bilhões em obras estão em andamento na Baixada Fluminense, que inclui o Arco Metropolitana, orçado em R$ 1,1 bilhão. Os números são do vice-governador Luiz Fernando Pezão, que divulgou os dados em um evento em Nova Iguaçu. Pezão citou o projeto do arco como um modelo que impulsionará a economia da Região Metropolitana, não apenas para a Baixada Fluminense.
"É uma oportunidade única. Há muitas empresas querendo se instalar ao longo do Arco Metropolitano e diversas programas habitacionais. É a oportunidade que a Baixada tem para gerar emprego e renda", destacou Pezão, acrescentando que a expectativa é de entregar a rodovia até março de 2014.
O especialista em Competitividade Industrial e de Investimentos da Federação das Indústrias do Estado do Rio (Firjan), Riley Rodrigues, destacou ainda outros investimentos de grande porte na região, como a base offshore da Petrobras para a exploração do pré-sal, a base naval de submarinos da Marinha, além da expansão do Porto de Itaguaí.
Riley disse que o Arco Metropolitano é grande indutor desses investimentos, já que ele encurta a ligação direta do Complexo Petroquímico do Rio (Comperj) com a Refinaria de Duque de Caxias (Reduc) e a base de exploração do pré-sal. "O Arco Metropolitano será o maior corredor do setor petroquímico. Além disso, ainda existe uma área virgem com espaço para investimentos entre Nova Iguaçu e Itaguaí", acrescentou.
Planejamento
Rodrigues lembrou, no entanto, que é preciso criar um planejamento de infraestrutura adequado para a provável chegada de empresas que se instalarão ao longo do Arco Metropolitano, o que eliminaria problemas futuros. Ele ressaltou que a Firjan fez um estudo, chamado Visões do futuro - potencialidades e desafios para o estado, que analisa a chamada Região Baixada Fluminense I, que inclui os municípios de Itaguaí, Japeri, Mangaratiba, Mesquita, Nova Iguaçu, Nilópolis, Paracambi, Queimados e Seropédica, e aponta as melhores soluções para o grande volume de investimentos esperados para a região.
"O acesso a essa área tem de ser feito antes das empresas chegaram. Precisa ter saneamento, energia elétrica, telefonia e isso tem de ser feito antes, do contrário gerará uma demanda grande para uma oferta pequena", salientou, lembrando que o desenvolvimento previsto na região também acarretará em aumento populacional.
"Para isso é necessário que exista toda uma infraestrutura para permitir a ocupação delas, como transporte, postos de saúde, entre outros. É preciso evitar problemas de crescimento desordenado, com fábricas instaladas em áreas específicas para ocupação urbana e vice-versa", afirmou.

sábado, 23 de março de 2013

Estudo revela que cidade não encolherá

23/03/2013 - O Globo

Nova projeção do IPP diz que Rio só perderá moradores em sete de 32 Regiões Administrativas até 2020

Área de expansão. Prédios na Barra da Tijuca: segundo o estudo do IPP, região continua sendo a que mais vai crescer até 2020 Eduardo Naddar / Agência O Globo

RIO - Se o Rio mudou nos últimos dez anos, o futuro da cidade também vem se modificando. Um estudo realizado pelo Instituto Pereira Passos (IPP) este ano, para determinar para onde o município vai crescer até 2020, traz novidades em relação a trabalho semelhante feito em 2004. Se antes a previsão era que a cidade encolheria dramaticamente em 22 das suas 32 Regiões Administrativas (RAs) incluindo bairros do Centro e das zonas Sul e Norte , agora técnicos apontam que o número de habitantes cairá apenas em sete delas. Já a Zona Oeste continua sendo a região que mais se expandirá, embora em ritmo menor do que o previsto inicialmente.

Os dois estudos fazem projeções sobre o número de moradores e as comparam com as estatísticas do ano 2000. O primeiro, de 2004, dizia que o Centro, por exemplo, perderia quase metade de sua população. Já a Zona Sul, o Méier e a Tijuca minguariam até 24%. O segundo trabalho, no entanto, divulgado este mês, revê todas essas projeções e indica que as mudanças devem acontecer de forma mais equilibrada em toda a cidade.

Na atual versão, por exemplo, além do encolhimento cair de 22 para sete RAs, as áreas que mais crescerão terão taxas menos fantásticas. Na Barra da Tijuca, por exemplo, cuja projeção feita em 2004 apontava para um aumento populacional de quase 300% em 2020, a variação deve cair em mais da metade. No trabalho deste ano, técnicos apontam um crescimento de cerca de 125%.

O estudo de 2004 usou informações levantadas pelo IBGE nos Censos de 1980, 1991 e 2000. Já o divulgado pelo IPP esta semana lançou mão de dados dos Censos de 2000 e 2010. De acordo com o diretor de Informações do Instituto Pereira Passos, Sérgio Guimarães, as projeções têm o objetivo de ajudar a cidade a pensar seu crescimento e definir políticas públicas mais adequadas:

Para este último estudo, a motivação foi uma demanda da Secretaria de Educação, que quer criar escolas de turno único. Se você sabe onde a cidade terá mais crianças e onde terá menos, fica mais fácil saber onde investir. Da mesma forma, outras secretarias podem usar essas informações.

Segundo o trabalho deste ano, toda a região que inclui Barra da Tijuca, Recreio dos Bandeirantes, Joá, Itanhangá, Vargem Grande, Vargem Pequena, Camorim e Grumari continua a ser a de maior potencial de crescimento. Mas, de acordo com os técnicos, em vez de chegarem a 2020 com mais de 500 mil habitantes como fora previsto inicialmente , esses bairros deverão ter pouco menos de 400 mil moradores. A taxa de crescimento da região, no entanto, continua sendo a maior da cidade nesta década: 30,9% entre 2010 e 2020.

Investimentos aquém do necessário

Especialistas dizem que a explicação para esse crescimento é óbvia, uma vez que se trata de uma região onde ainda há muitas áreas a serem ocupadas. Mas, para o presidente da Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura do Rio (Asbea/RJ), Vicente Giffoni, os investimentos em setores como mobilidade e saneamento precisam acompanhar a velocidade dessa expansão.

Como essas áreas ainda são pouco ocupadas, o crescimento vai sendo esticado em direção à Barra e a Jacarepaguá. Mas são regiões carentes de infraestrutura. E não apenas no que diz respeito a mobilidade. Há problemas ligados ao meio ambiente. Você até vê que há um investimento nas questões básicas de infraestrutura. No entanto, a velocidade desses investimentos não tem acompanhado o crescimento dessas regiões diz Giffoni.

Que o diga a contadora Fabíola Freire, de 36 anos. Nascida em Manaus, ela morou no Rio de 2000 a 2004 e não pestanejou ao escolher a Barra para se estabelecer quando, este ano, voltou para a cidade. Fabíola, o marido e a filha desembarcaram no bairro há dois meses em busca de qualidade de vida.

Não cheguei a pensar em outro lugar para morar. Gosto do bairro porque tem tudo de que preciso. É o melhor custo-benefício do Rio afirma a contadora.

As delícias do bairro, no entanto, ainda têm que conviver com problemas crônicos. Na última quinta-feira, por exemplo, Fabíola marcou um encontro com a equipe do GLOBO no meio da tarde, mas ficou presa num engarrafamento entre a Zona Sul e sua casa por mais de uma hora.

Obras do Porto Maravilha fecham acesso da Av. Presidente Vargas para a Perimetral

23/03/2013 - O Globo

Canteiro de obras foi montado para demolição de rampa de acesso Fechamento começou por volta das 8h deste sábado e é permanente

PEDRO MANSUR (EMAIL · FACEBOOK · TWITTER)
23/03/2013 - 11h00

Agentes de tráfego observam começo de demolição da rampa. Região tem trânsito bom Pedro Kirilos / O Globo
RIO A rampa de acesso da Avenida Presidente Vargas para o Elevado da Perimetral foi fechada por volta das 8h deste sábado. Um canteiro de obras foi montado no local, que fica ao ao lado da Casa França-Brasil e do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), e uma retroescavadeira já demole a mureta da via. O tráfego não foi afetado na Avenida Presidente Vargas, que tem fluxo bom. Já no próprio Elevado da Perimetral o trânsito é livre nos dois sentidos.

Para absorver o fluxo que deixará de passar pelo acesso à Perimetral estimado em 720 veículos por hora , a prefeitura fará modificações nos pontos de ônibus do Mergulhão da Praça Quinze, via que servirá como rota alternativa. Duas linhas terão suas paradas transferidas para o Terminal Misericórdia (Praça Quinze) e uma terceira será transformada em linha circular.

Segundo o secretário municipal de Transportes, Carlos Roberto Osório, a ideia é reduzir a quantidade de coletivos no mergulhão, que já tem uma circulação média de 1.800 veículos por hora no período da manhã no sentido Zona Sul:

As linhas que sofrerão mudanças são pesadas, com muitos ônibus. Vamos colocar fiscalização no mergulhão todos os dias. Inicialmente, a ideia era apenas impedir a formação de filas duplas nos pontos, mas concluímos que é preciso diminuir sensivelmente a quantidade de veículos parando no mergulhão.

Como a mudança terá impactos pesados na região, a interdição de um trecho da Rua Visconde de Itaboraí, no Centro, para a ampliação de um outo canteiro de obras, foi adiada por tempo indeterminado. No dia 8 de março, a prefeitura fechou um trecho da Avenida Rodrigues Alves para abrir caminho para as obras.

Três linhas de ônibus terão pontos alterados

As linhas 292 e 367, que têm pontos finais no Terminal da Misericórdia, não farão mais paradas na galeria do mergulhão no sentido Aterro do Flamengo. A linha 238, que tem ponto final dentro do mergulhão, passará o operar como circular. Já as linhas intermunicipais, que têm ponto de embarque e desembarque na Praça Pio X dentro do sistema de BRS (1), não poderão mais pegar ou deixar passageiros na galeria do mergulhão no sentido Aterro. As demais linhas não terão mudanças.

Para viabilizar a interdição da rampa, foi montado um esquema especial de trânsito, que conta com 80 agentes e operadores de tráfego nos primeiros dias úteis.

A ligação do Mergulhão da Praça Quinze com o túnel da via expressa somará 5.050 metros e terá três pistas em cada sentido. Ela servirá aos motoristas que cruzam a Zona Portuária apenas como passagem, margeando a área em paralelo aos armazéns do Porto. O túnel da via expressa terá 2.579 metros, ligando o mergulhão da Praça Quinze à Avenida Rodrigues Alves.

segunda-feira, 18 de março de 2013

Transcarioca: Secretaria de Obras inaugura novo viaduto na Penha

07/03/2013 - Agência Rio

A Prefeitura do Rio infornou que vai inaugurar nesta quinta-feira (7) mais uma obra do pacote de melhorias viárias da Transcarioca. Desde abril do ano passado, a Secretaria Municipal de Obras vem trabalhando na ampliação do Viaduto João XXIII, que liga as avenidas Brás de Pina e Lobo Júnior, na Penha. A nova travessia foi batizada com o nome de Luís Carlos da Vila, sambista e compositor carioca, falecido em 2008, nascido na região.

A obra teve como objetivo melhorar o escoamento do tráfego na área antes da implantação do sistema BRT (Bus Rapid Transit). A Transcarioca será entregue à população em dezembro, ligando a Barra da Tijuca ao Aeroporto Internacional, na Ilha do Governador.

Do mesmo modo que o Viaduto Negrão de Lima, em Madureira, o Viaduto da Penha ganhou uma estrutura vizinha, de igual porte. Antes da obra, o Viaduto João XXIII contava com uma faixa de subida e outra de descida, em oito metros de largura e ao logo de 440 metros de extensão. A construção da nova estrutura garantiu mais uma pista em cada sentido e não prevê faixa de rolamento para os ônibus articulados (ligeirões).

O projeto teve como objetivo atender à demanda intensa do tráfego de veículos na região. As obras da Transcarioca totalizam aporte de R$ 1,5 bilhão, compartilhados entre Governo Federal e Prefeitura.

Ao longo do traçado, de 39 quilômetros de extensão, diversas intervenções vêm mudando a cara da cidade. Já foram inaugurados o mergulhão Clara Nunes, no Campinho; a duplicação do Viaduto Negrão de Lima, em Madureira; e o mergulhão Billy Blanco, na Barra da Tijuca. Outras grandes obras estão em andamento, como o mergulhão na altura do Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra; uma ponte estaiada no mesmo bairro e outra na Ilha do Governador.

MS

Dobradinha que dá certo: hotéis e shoppings

17/03/2013 - O Globo

Tendência internacional já se faz presente em dois empreendimentos no Rio

JACQUELINE COSTA

Futuro. Projeção de como ficará a área do Shopping Nova América Terceiro / Divulgação

RIO - Comprar, comer e dormir sem sair do lugar. Seguindo uma tendência internacional, a dobradinha shopping-hotel começa a dar as caras por aqui. No Rio, os primeiros empreendimentos de grupos hoteleiros dentro de centros comerciais já estão em construção: dois no Shopping Nova América, em Del Castilho, e um no Recreio Shopping,. Todos voltados para o turismo corporativo.

Maior parceira da rede hoteleira Accor no Rio, a construtora Galwan está lançando dois hotéis no Nova América, cuja expansão custará R$ 250 milhões. O empreendimento, que totaliza 420 quartos, é composto por dois hotéis Ibis, tem quatro andares de garagem e localização estratégica, com previsão para inauguração em 2014.

A fundação já está pronta, o que agiliza a obra e diminui os custos. Como há uma carência de hotéis no Rio, principalmente nesta região, acreditamos que os hotéis terão uma taxa de ocupação de 80% explica o diretor-presidente da Galwan, José Luís Galvêas Loureiro.

As outras novidades imobiliárias na área são o Nova América Offices e o Nova América Corporate. O primeiro é um conjunto de três torres com 914 salas comerciais (das quais 850 já foram vendidas) e o único auditório da região, com mais de 200 lugares. Já o Corporate é um conjunto de três lajes corporativas, com até 14 andares e capacidade para até 21 grandes empresas.

Vantagens de estar perto do metrô e de via expressa

A localização estratégica foi um fator decisivo para juntar centros comerciais e unidades hoteleiras, segundo os executivos das companhias envolvidas. Marcelo Carvalho, copresidente da Ancar Ivanhoe, uma das empresas empreendedoras do Nova América, explica que o shopping é o único do Rio ligado a uma estação de metrô, além de contar com acesso direto à Linha Amarela:

Ao fazer um projeto que une salas comerciais, lajes corporativas e hotéis, vamos permitir que os hóspedes usufruam de todos os serviços do shopping e também façam uso da estação de metrô, se precisarem se movimentar para outras áreas da cidade .

Além disso, o executivo conta que foram realizados estudos de mercado que apontaram o desenvolvimento da região e também a carência de hotéis.

Trata-se de uma área de negócios, com muitas fábricas e indústrias diz Carvalho.

Carência de quartos

Isabel Ferraz Magalhães, diretora do Grupo Santa Isabel, empreendedora do Recreio Shopping, também está otimista com o investimento de R$ 110 milhões. A previsão de inauguração do hotel, que ainda não tem bandeira definida, é o primeiro semestre de 2015. Serão 192 quartos, um centro de convenções com 1.600 metros quadrados, business center, academia interligando o shopping e o hotel, além de restaurante panorâmico.

O hotel atende a uma demanda do Rio, por conta de carência de quartos. Temos uma cidade que tem na sua vocação o turismo tanto de lazer e corporativo. O Recreio é uma região que vem crescendo por conta da sua localização privilegiada, graças aos acesso direto a vias expressas, como a Transoeste, sem falar na proximidade do cruzamento da Linha Amarela com a Linha Vermelha, além da proximidade com o RioCentro diz Isabel.

Presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH-RJ), Alfredo Lopes diz que 74% dos turistas que chegam ao Rio pertencem ao mercado corporativo. Ele acredita que a tendência de juntar shopping e hotéis chegou ao Rio de Janeiro para ficar.

Esses podem ser os primeiros de muitos investimentos do tipo. Em Caxias e Nova Iguaçu também há projetos em construção. A grande ancoragem é o mercado do turismo de negócios. Em Porto Madero, em Buenos Aires, quase todos os hotéis contam shopping diz Lopes.

Viaduto particular é erguido na Linha Vermelha

05/09/2012 - O Globo

Acesso atenderá área de depósito de cargas de 1 milhão de metros quadrados

Obra acelerada de viaduto particular na Linha Vermelha ligará áreas de depósito de cargas Márcia Foletto / O Globo

RIO - Uma construção vem chamando a atenção de quem transita pela Linha Vermelha. Dois pilares de um viaduto, localizado no limite entre os municípios do Rio e Duque de Caxias, já ganharam forma e se sobressaem na paisagem. No local, onde há uma movimentação frenética de máquinas e operários, está sendo construída uma via particular para um condomínio de armazéns de cargas, o Cargo Park, que vai ocupar aproximadamente um milhão de metros quadrados, dos quais 400 mil metros terão cobertura. O investimento é de cerca de R$ 400 milhões.

A entrada principal do Cargo Park será no entroncamento da Avenida Washington Luís com a Avenida Brasil e a Linha Vermelha. A empresa vai oferecer às operadores que alugarem os armazéns estacionamento para os caminhões, segurança e localização estratégica.

O lugar fica a poucos metros da cabeceira do Aeroporto Internacional Antonio Carlos Jobim, a 16 quilômetros do Aeroporto Santos Dumont e a 12 quilômetros do Centro da cidade. Os armazéns serão construídos em sistema modular. Cada galpão terá área mínima de 612 metros quadrados e máxima de 50 mil metros quadrados. Muito próximas à Baía de Guanabara, as obras foram licenciadas pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea).

Greve de operários paralisa revitalização da Zona Portuária

18/03/2013 - O Globo

Concessionária afirma que movimento não prejudicará cronograma

NATALIA CASTRO

Paralisação. Em greve iniciada na quarta-feira, 3.500 operários da concessionária Porto Maravilha reivindicam receber plano de saúde - Marcelo Carnaval / Agência O Globo

RIO - A greve de 3.500 operários da concessionária Porto Novo, empresa contratada pela prefeitura o Rio para executar obras do Porto Maravilha, paralisou 33 frentes de obra na Zona Portuária. Eles suspenderam os serviços na última quarta-feira, reivindicando o benefício do plano de saúde, dado apenas a funcionários do departamento pessoal da firma. Nesta segunda-feira, uma assembleia marcada para as 7h e uma audiência de conciliação à tarde, no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), prometem definir o impasse. No momento, somente o monitoramento das obras dos túneis é mantido por trabalhadores autorizados pelo sindicato da categoria.

Em negociação com os operários, a assessoria da Porto Novo afirmou que a concessionária obedece plenamente à Convenção Coletiva de Trabalho, estabelecida pelo Sindicato dos Trabalhadores da Construção Pesada do Rio de Janeiro (Sitraicp) e pelo Sindicato da Indústria da Construção Pesada (Sinicon). O documento, porém, ainda não assinado pelas partes, exclui o benefício do plano de saúde. A assessoria garantiu ainda que a paralisação não afetará o cronograma das obras, previstas para serem entregues no primeiro semestre de 2016.

Diretor-presidente da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio (Cdurp), Alberto Gomes Silva espera que a situação se resolva o mais rapidamente possível e que não comprometa as relações contratuais:

As providências possíveis estão sendo tomadas. Por enquanto, não há danos mais graves.

Negociação demorada, diz sindicato

Porém, caso as partes envolvidas não cheguem a um acordo hoje, a greve será mantida, ressalta Nilson Duarte Costa, presidente do Sitraicp, que chama a atenção para a morosidade nas negociações:

Eles não querem discutir. Parece que estão deixando a greve acontecer. E o resultado disso é o atraso, cada vez maior, das obras.

A principal reclamação de Costa diz respeito à falta do plano de saúde. Ele argumenta que somente os operários da Porto Novo não têm o benefício.

Se os trabalhadores envolvidos nas obras do Caju, do Maracanã e do metrô têm direito ao plano, por que os da Zona Portuária não têm? indaga ele, acrescentando que muitos dos operários da Porto Novo vieram do canteiro de obras do Maracanã. E, na transição, perderam o direito, o que é um absurdo. Sei que, às vezes, o pagamento do plano de saúde não é possível. Eu nem sei em quanto essa obra foi orçada, mas acho que existe condição.

Atualmente, as obras do Porto Maravilha totalizam 33 frentes. As principais intervenções são a Via Binário (futura Oscar Niemeyer) que vai interligar a Linha Vermelha e o Viaduto do Gasômetro ao Centro da cidade , o Viaduto de Conexão com São Cristóvão e o alargamento do túnel ferroviário existente sob o Morro da Providência. Desde o último dia 9, a interdição da pista sentido Centro da Avenida Rodrigues Alves que se transformará em via expressa vem causando ainda mais transtornos ao trânsito.

A greve na Zona Portuária ocorre um mês depois de protestos no Maracanã. Na ocasião, um dia antes da visita oficial de integrantes do Comitê Olímpico Internacional (COI) ao estádio, trabalhadores fizeram uma paralisação de advertência que visou a um reajuste salarial de 15% mais cesta básica de R$ 330, inclusão dos familiares no plano de saúde e participação nos lucros equivalente a dois salários, além de pagamento de 100% da hora extra. Após assembleia e terem conquistado parte das reivindicações, eles retomaram as atividades depois do carnaval. A reforma do Maracanã está prevista para chegar ao fim daqui a dois meses, em maio, a tempo da Copa das Confederações. A primeira partida será em 16 de junho.

quinta-feira, 14 de março de 2013

Ruas da Lapa não serão mais fechadas nos fins de semana

14/03/2013 - O Globo

As mudanças de trânsito nas noites de sexta-feira e sábado na Rua do Riachuelo e Avenida Mem de Sá começam a partir do dia 22 de março

Avenida Mem de Sá tomada por pedestres numa noite de fim de semana, a partir da próxima semana via não será mais bloqueada aos veículos Carlos Ivan / O Globo

RIO - A partir do dia 22 de março, a Rua do Riachuelo, a Avenida Mem de Sá e os Arcos da Lapa não serão mais fechados ao trânsito nas sextas-feiras e sábados, no período entre 22h e 5h, conforme vinha acontecendo desde julho de 2010, durante a Operação Lapa Legal. Segundo a prefeitura, a mudança começará a ser informada por meio de faixas e painéis luminosos da CET-Rio nesta quinta-feira.

De acordo com Secretaria Especial de Ordem Pública (Seop), a abertura do trânsito na região possibilitará melhor fluidez aos diversos órgãos públicos que atuam de maneira integrada e mobilizada na área com o objetivo de proporcionar mais conforto, tranquilidade, segurança e organização aos frequentadores, moradores e comerciantes da Lapa. A secretaria informou ainda que a Feira Noturna Lapa Legal, implantada em julho de 2009 - com a legalização de 82 barracas posicionadas dos Arcos à Sala Cecília Meireles será mantida.

Nesta nova fase da Operação Lapa Legal que também atende a uma reivindicação de comerciantes e moradores da região, devido ao excesso de barulho e ao grande fluxo de pessoas por causa das ruas fechadas a Seop vai empregar 411 pessoas distribuídas ao longo da semana entre agentes de Controle Urbano e Fiscais de Atividades Econômicas, além de guardas municipais. As equipes trabalharão coibindo o comércio ambulante irregular, o estacionamento em local proibido, a ocupação indevida de área pública por mesas e cadeiras, entre outras irregularidades que venham a ferir o Código de Posturas do Município. A colocação de mesas e cadeiras nas calçadas só será realizada por bares e restaurantes devidamente autorizados e que respeitando o espaço mínimo para a circulação de pedestres.

Nas noites de sexta-feira e sábado serão distribuídos durante os dois dias 276 agentes, entre guardas, fiscais do CCU e de Atividades Econômicas. Entre domingo e quinta-feira serão distribuídos 135 agentes ao longo de cinco dias. A fiscalização para coibir o estacionamento irregular será realizado com o apoio de 6 reboques, sendo 4 reboques sextas e sábados, além de 2 reboques de domingo à quinta.

segunda-feira, 11 de março de 2013

Redondo da Barra

11/03/2013 - Jornal do Commercio, Marcia Peltier

Após anos de impasse, o terreno da massa falida da Desenvolvimento Engenharia, com projeto assinado por Oscar Niemeyer, foi leiloado. O espaço de quase 30 mil metros quadrados atingiu o montante de R$ 88 milhões, alta de até 38%, segundo avaliação imobiliária. O grupo paulista EGB 01 Empreendimentos e Participações é o novo dono. De frente para a Avenida das Américas, o imóvel tem autorização para funcionar como centro comercial. No bairro, comenta-se que o espaço será sede de um shopping center.

'Barracô'...

11/03/2013 - O Globo, Ancelmo Gois

Aliás, uns empresários franceses estão comprando vários barracos no Vidigal com vista para o mar.
Vão transformá-los em hostels.

sábado, 9 de março de 2013

Niterói detalha projeto com nova missão do BID

09/03/2013 - O Fluminense

O prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, e o vice-prefeito, Axel Grael, receberam na última sexta-feira, na sede da prefeitura, a segunda missão do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). No encontro, foi discutido o escopo do projeto que o município apresentou ao banco para a obtenção de recursos para investimento na infraestrutura e revitalização da cidade.

Entre os temas tratados destacam-se: urbanização de comunidades e inclusão social; transporte e mobilidade urbana; requalificação do Centro; e fortalecimento institucional. Os representantes do BID informaram que nos próximos dias farão uma avaliação das informações fornecidas pela prefeitura e vão orientar a equipe do governo, comandada pelo vice-prefeito Axel Grael, coordenador do Escritório de Gestão de Projetos (EGP), em relação à necessidade de mais dados, documentos e atualização de informações. Também foi acertada uma nova reunião, a ser realizada até o fim do mês, para discutir os últimos detalhes do acordo de cooperação.

Para o prefeito, a velocidade com que as negociações avançam demonstram toda a disposição do BID em atender à demanda do município:

"Esses investimentos são fundamentais para os preparativos de Niterói com vistas às olimpíadas de 2016. Essa é a segunda missão do BID em Niterói este ano e demonstra o empenho da instituição em agilizar o processo de assinatura do acordo de cooperação no valor de R$ 100 milhões", disse o prefeito, adiantando que o coordenador da missão, Aderbal Curvelo, já está em Washington, nos Estados Unidos, para agilizar a liberação do contrato.

Rodrigo Neves fez, ainda, um agradecimento à ministra do Planejamento, Miriam Belchior e ao governador do Rio, Sergio Cabral, que se empenharam em ajudar Niterói na recuperação dos recursos que já haviam sido arquivados pelo banco.

Para Paulo Ribeiro, consultor do BID, todos os esforços estão sendo feitos para liberar os recursos para a cidade: "O BID está empenhado nisso. O banco tem todo o interesse em estabelecer uma parceria com a prefeitura de Niterói".

Outro representante da missão, Rodrigo Speziali frisou que a participação da prefeitura está diretamente ligada à aprovação do empréstimo: "É importante destacar o compromisso e o empenho da prefeitura de Niterói em atender as demandas do BID, sempre com agilidade e a grande competência técnica. O comprometimento da prefeitura é de extrema importância para o resgate desse projeto.

Mais um

19/02/2013 - O Globo

Um outro hotel, três estrelas, será erguido na expansão do Recreio Shopping. Terá 250 quartos e pertence ao grupo Santa Izabel.

Envie para um amigo
Imprima este texto

Começa a duplicação da Avenida do Contorno

19/02/2013 - O Globo Online, Paulo Roberto Araújo

Prometidas desde 1974, quando foi inaugurada a Ponte Rio-Niterói, começaram na segunda-feira, enfim, as obras de duplicação dos 2,2 quilômetros da Avenida do Contorno, trecho inicial da BR-101-Norte, apontado como um dos maiores gargalos das rodovias fluminenses. Orçadas em cerca de R$ 40 milhões, elas deverão durar dois anos. O corte das rochas será feito a frio, já que não é possível usar explosivos. Isso exigiria a interdição da rodovia - por onde passam 90 mil veículos por dia - e a desocupação dos estaleiros próximos.
O custo das obras, inicialmente orçadas em R$ 25 milhões, quase dobrou porque aconteceram atrasos e foram feitas mudanças no projeto original para evitar a desapropriação de parte do Cemitério do Maruí. Com as alterações, o alargamento no trecho final da Contorno vai ocupar uma área do Estaleiro Renave.
As obras tiveram início com o desmonte das rochas. A Avenida do Contorno começa próximo à Praça de Pedágio da Ponte Rio-Niterói e termina no Barreto. Com as obras, o número de faixas aumentará de duas para três em cada sentido, e mais o acostamento, que poderá ser usado como pista, como ocorre na Ponte em dias de grande movimento.
Responsável pela obra, José Alberto Gallo, diretor superintendente da concessionária Autopista Fluminense, disse que este ano a duplicação não afetará o tráfego na rodovia durante o dia. À noite, será interditada uma pista junto ao trecho onde há desmonte de rocha para saída dos caminhões. Os maiores transtornos vão acontecer no ano que vem, quando serão feitas as obras na área do estaleiro, na pista de descida:
- O trabalho de desmonte das rochas é muito complexo porque não podemos usar fogo, ou seja, explosivos. Se conseguirmos abrir um caminho alternativo para entrada e saída dos caminhões, o prazo de execução da obra será reduzido em três meses.
O prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, vai visitar as obras hoje. O diretor da Autopista Fluminense pedirá à prefeitura que acelere as obras de duplicação da Rua Benjamin Constant, de modo que a via sirva de alternativa para absorver parte do tráfego da Avenida do Contorno durante as obras.
- A duplicação da Avenida do Contorno é importante para aliviar o difícil trânsito de Niterói - diz o prefeito.
José Alberto Gallo informou que já está em estudos a duplicação do trecho Niterói-Manilha da BR-101 do Barreto até Manilha, num total de 28 quilômetros, e a remodelação dos trevos de Manilha e de Varandinha, ambos em Itaboraí, que também são pontos de retenção do tráfego da BR-101. Há previsão de um grande aumento do fluxo de veículos com a entrada em operação do Pólo Petroquímico da Petrobras (Comperj).
Vice-presidente da Federação dos Conventions Bureau do Estado do Rio, Radamés Muniz, que também é hoteleiro em Cabo Frio, defende a aceleração das obras de duplicação por causa do grande movimento de turistas que a Região dos Lagos vai receber durante a Copa do Mundo de 2014. Ele lamenta que a obra não esteja pronta antes da Copa das Confederações e da Jornada Mundial da Juventude, que acontecem em 2013:
- Os turistas que vêm para estes eventos vão procurar as cidades próximas para turismo. Além disso, a Região dos Lagos receberá delegações por via áerea, mas toda a logística é feita pelas rodovias. Nos intervalos das competições, os turistas vão procurar os destinos turísticos mais próximos e por isso precisamos de boas estradas - apelou Muniz.

Trânsito flui bem no primeiro dia de interdições na Avenida Rodrigues Alves

09/03/2013 - O Globo

Fechamento é entre as ruas Rivadávia Corrêa e Antonio Lage, nas imediações da Cidade do Samba Tráfego foi desviado para a pista sentido contrário

Operadores de trânsito indicam o caminho no primeiro dia de fechamento da Avenida Rodrigues Alves Pablo Jacob / O Globo
RIO - Trânsito segue sem retenções no primeiro dia de novas mudanças na Avenida Rodrigues Alves, no Centro, para obras do projeto Porto Maravilha. Desde as 8h deste sábado, a pista sentido Centro da Rodrigues Alves está interditada entre as ruas Rivadávia Corrêa e Antonio Lage, nas imediações da Cidade do Samba. O trânsito no trecho foi desviado para a pista sentido contrário, e segue sem retenções. Pelo menos dez operadores de trânsito estão no trecho interditado, orientando os motoristas.

O presidente da concessionária Porto Novo, José Renato Pontes, esteve na manhã deste sábado, acompanhando a mudança, e não acredita que haverá problemas na segunda-feira, primeiro dia útil de interdição do trecho.

A gente não acredita que haverá grande diferença porque mais a frente na avenida há dois estreitamentos que não provocam retenções no trânsito. Nas quatro pistas em direção à Avenida Brasil, existe ainda a possibilidade de se criar faixas reversíveis, mas isso fica a critério da CET Rio. Os primeiros dez dias são de adaptação para refinar a operação disse Pontes.

As interdições visam a abrir caminho para a perfuração do túnel da Avenida Rodrigues Alves, que será transformada em via expressa até o primeiro semestre de 2016, dentro do projeto Porto Maravilha.

Lucio de Albuquerque Rosa, de 59 anos, aproveitava o trecho interditado na Avenida Rodrigues Alves para caminhar. Há 12 anos, morador do condomínio Morada da Saúde, na Gamboa, ele comemora as mudanças na região.

Minha janela dá de frente para porto. Estou rodeado de grandes empreendimentos, e muito feliz com a revitalização do bairro onde moro. Eu que sempre caminhava pela ruas de dentro do bairro, agora tenho este trecho livre da Rodriges Alves disse o morador, acrescentando que aguarda com ansiendade a derrubada do viaduto da Perimetral.

sexta-feira, 8 de março de 2013

Desvendados os mistérios da nova Marina da Glória

02/03/2013 - O Globo

Revitalização de área tombada prevê mais 333 vagas de estacionamento, centro de convenções e 50 lojas

EMANUEL ALENCAR

Mosaicos de pedras portuguesas estão previstos no projeto elaborado pelo arquiteto Índio da Costa, cujo licenciamento será feito pelo Inea Divulgação/EBX
RIO

Sydnei Menezes acredita que o projeto propõe uma integração do Parque do Flamengo à Marina da Glória, mas reforça a necessidade de um amplo debate com a sociedade. Carla Juaçaba prefere analisar com mais calma antes de opinar. Nireu Cavalcanti ainda não está convencido se haverá harmonia entre as novas construções e o Pão de Açúcar. Com muita cautela, arquitetos e urbanistas analisaram as primeiras imagens do plano de revitalização da Marina da Glória proposto por Eike Batista e divulgadas com exclusividade pelo GLOBO. Os cariocas poderão tirar suas dúvidas hoje, das 8h às 17h, numa tenda da EBX na entrada da marina, onde serão apresentados detalhes do projeto de R$ 180 milhões, como um centro de convenções com grama no telhado.

Além da ampliação do estacionamento, que passaria a ter 633 vagas e ocuparia dois pavimentos hoje são cerca de 300 vagas de acordo com a EBX , a proposta inclui a construção de 50 lojas, de uma área de convivência e de dez píeres, com capacidade para 450 embarcações. Hoje, a Marina tem capacidade para abrigar 300 barcos e lanchas. O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em Brasília aprovou o anteprojeto, assinado pelo arquiteto Luiz Eduardo Índio da Costa, em 29 de janeiro. Os conselheiros do Iphan do Rio ainda não se pronunciaram.

Há ainda um longo processo antes que o martelo seja batido, e as obras na área pública de fato comecem. O licenciamento será feito pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea), que ainda está elaborando a instrução que servirá de base para o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) do empreendimento. Audiências públicas também estão previstas.

O presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio (CAU-RJ), Sydnei Menezes, terá reunião amanhã com o Grupo EBX para discutir a proposta. Numa avaliação preliminar, ele afirma que as maquetes propõem uma integração do ambiente com a marina, mas ressalta que há uma série de questões a serem debatidas com a sociedade. Entre elas, os impactos viários.

A volumetria das construções chama a atenção. A altura máxima de 15 metros do espelho dágua não me parece clara nas imagens. E um estacionamento para 633 carros é algo de forte impacto. Como este impacto será absorvido? Quem não tem carro, não vai? Outra questão é saber se o solo terá permeabilidade total ou parcial diz Menezes.

O arquiteto e historiador Nireu Cavalcanti concorda que é cedo para fazer qualquer juízo de valor. Carla Juaçaba, projetista do Pavilhão da Humanidade, em Copacabana, para a Rio+20, segue a mesma linha da cautela. O grupo de Eike garante que as intervenções, que incluem obras de saneamento, em parceria com a Cedae, serão benéficas para a cidade.

Vamos revitalizar o bosque dos piqueniques, área de lazer prevista no projeto do (Affonso Eduardo) Reidy diz Marco Adnet, diretor da REX, empresa responsável pelo projeto.

A nova Vila Autódromo

28/02/2013 - O Globo, Ancelmo Gois

Está pronto o projeto da área de lazer do Parque Carioca, condomínio residencial que a Prefeitura do Rio e o programa Minha Casa Minha Vida, do Governo federal, construirão em Jacarepaguá, para doar aos moradores que serão removidos da Vila Autódromo. A favela, como se sabe, fica ao lado do futuro Parque Olímpico e será extinta. Ao custo de R$ 105 milhões, serão erguidos 900 apartamentos - 45 deles adaptados para receber pessoas com necessidades especiais - de dois e três quartos, que devem ser entregues até fevereiro de 2014. O Parque Carioca terá creche, escola, clube com piscina, quadras de esporte, área verde, além de espaço gourmet igual ao dos condomínios da vizinha Barra da Tijuca.

Cidade dos hotéis

19/02/2013 - O Globo

Um hotel Encore by Ramada, com 200 apartamentos, será construído onde está hoje a casa de shows Ribalta. No futuro se chamará Ramada Ribalta e terá centro de eventos multiuso com capacidade para 5 mil pessoas. A gestão do futuro hotel ficará com a mineira Vert Hotéis. É um projeto de RS 80 milhões.


Envie para um amigo
Imprima este texto

Rio-Niterói completa 39 anos com muita história e fatos curiosos

04/03/2013 - Agência Rio

Da Redação
A Ponte Rio-Niterói, um dos mais famosos monumentos da engenharia nacional, completa 39 anos nesta segunda-feira (4). Para comemorar a data, os painéis eletrônicos da rodovia divulgarão mensagens alusivas ao aniversário durante todo o dia.

Inaugurada em 1974 com nome oficial de Presidente Costa e Silva, é uma das maiores pontes do mundo, com seus 13 quilômetros de extensão e até 72 metros de altura no trecho do Vão Central. Cerca de 150 mil veículos transportam, diariamente, mais de 400 mil pessoas na principal ligação entre Niterói e a Capital.

Simulações curiosas produzidas pela CCR Ponte confirmam a grandiosidade da Rio - Niterói. Trata-se de exercícios estatísticos, mas os resultados chegam a ser impressionantes. Desde a inauguração até janeiro de 2013, por exemplo, já teriam passado pela Ponte cerca de um bilhão e meio de veículos, transportando mais de 3 bilhões e 900 milhões de pessoas.

Isso significa que, todos esses veículos enfileirados dariam 149 voltas na Terra ou cobririam 15 vezes a distância entre o nosso planeta e a Lua, enquanto que mais da metade da população mundial já teria cruzado a Ponte. Todas essas pessoas lotariam nada menos que 43 mil Maracanãs; de mãos dadas cobririam 20 vezes a distância entre a Terra e a Lua, ou dariam 194 voltas ao mundo.

Ainda é uma construção superlativa: uma das maiores pontes do mundo em volume espacial (área construída), a maior estrutura protendida das Américas (centenas de quilômetros de cabos de aço esticados no interior da estrutura), o maior vão em viga reta construído pelo homem (o vão central de 300 metros de comprimento). Poucos trechos rodoviários no mundo possuem tantas tecnologias e equipamentos de sinalização e controle de tráfego concentrados em apenas 13 quilômetros como na Rio - Niterói.

É administrada pela concessionária CCR Ponte, que desenvolveu alguns projetos que constituíram novas contribuições da engenharia para o monumento, tais como o Sistema ADS (Atenuadores Dinâmicos Sincronizados), desenvolvido em parceria com a Coppe / UFRJ, um sistema de molas e pesos instalado no interior da estrutura do vão central, para acabar com as oscilações da estrutura sob fortes ventos; e as baias suspensas, construídas nas rampas de subida do vão central, nos dois sentidos de direção, que significam, naqueles dois trechos, o alargamento da Ponte Rio –Niterói.

MS

Urbanizando o Arpoador

20/02/2013 - O Globo

As grades que fecham a passagem entre a Francisco Otaviano e a Praia do Arpoador devem ser retiradas. O projeto está com o subprefeito da Zona Sul, Bruno Ramos, e foi sugerido pelo Hotel Arena, que em breve ocupará o prédio ao lado, do colégio Isa Prates. Os empresários querem reurbanizar a área e dar novo tratamento paisagístico.

Rio suspende serviço de táxi especial no Cais do Porto

14/12/2012 - Agência Rio

A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria de Transportes, realizou na manhã desta sexta-feira (14) operação Taxi Legal no Cais do Porto, para identificação de irregularidades. Na operação, que vistoriou táxis comuns, especiais e vans de fretamento, o secretario municipal de Transportes, Carlos Roberto Osório, determinou a suspensão dos serviços de taxi especial no porto e o fechamento do balcão de atendimento das cooperativas cadastradas.

Entre as irregularidades identificadas estão cobrança de tarifa por hora, por roteiros turísticos, adulteração no preço de corridas e falta de dispositivo com a exposição da tabela de preço no balcão de vendas.

As cooperativas sancionadas (Coopertramo, Transcoopass, Coopatur e Cotramo) receberam notificação para comparecerem na tarde desta sexta-feira, na sede da SMTR para cumprimento de exigências e abertura de processo administrativo. O serviço de táxi especial no porto só será retomado após cumprimento das exigências estabelecidas pela fiscalização.

Durante a operação, liderada por fiscais da SMTR com apoio de policiais militares, agentes da Guarda Municipal e da CET- Rio, 21 veículos foram vistoriados, quatro lacrados e dois removidos. Ao todo, 50 homens participaram da operação, que será feita regularmente nos principais portões de entrada da cidade (aeroportos, rodoviária Novo Rio e Cais do Porto) durante a alta temporada.

"A operação de fiscalização dos serviços de táxis nos principais portões de entrada da cidade visa garantir um bom atendimento ao turista que chega ao Rio. Vamos beneficiar os bons taxistas, verdadeiros embaixadores da cidade, e coibir práticas ilegais e abusivas", disse o secretário de Transportes Carlos Roberto Osório.

MS

R$ 100 milhões em obras na Barreira do Vasco e no Caju

06/03/2013 -

Prefeitura fará novo acesso entre Avenida Brasil e favela de São Cristóvão

EMANUEL ALENCAR

Cara nova. A Rua Ricardo Machado reurbanizada, na Barreira do Vasco Divulgação
RIO

Ocupadas há três dias pelas força de segurança, as favelas Barreira do Vasco, em São Cristóvão, e Vila do Mexicano, uma das 13 do Complexo do Caju, receberão investimentos de R$ 100 milhões em obras de infraestrutura. As intervenções que incluem a construção de novo acesso à Barreira do Vasco pela Avenida Brasil devem ser concluídas no primeiro semestre de 2015. Metade dos recursos são do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID); a outra metade será financiada pela prefeitura.

Nas duas comunidades, serão instaladas 6.850 metros de redes de água, 5.300 metros de tubulações de esgoto, 2.590 metros de drenagem, além de 324 pontos de iluminação pública, contêineres e para coleta de lixo. A licitação para contratação da empresa que fará as obras está prevista para junho. Cerca de 16 mil pessoas serão beneficiadas.

Secretário municipal de Habitação, Pierre Batista, diz que a instalação de Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) vai facilitar as ações da prefeitura:

Ampliaremos a acessibilidade à Barreira do Vasco, com novos acessos para a Avenida Brasil e para a Rua Bela.

Prefeitura apresenta nova mobilidade urbana no Centro do Rio

07/03/2013 - Agência Rio

Fechamento de trecho da Avenida Rio Branco e operação de VLTs estão entre as modificações até 2016

A Prefeitura do Rio apresentou nesta quinta-feira (07/03) o planejamento urbanístico e de mobilidade para o Centro do Rio e para a Região Portuária, que está sendo totalmente reformulada. Até 2016 a região passará por mudanças estruturais em sua malha viária, assim como vem passando por uma profunda transformação de infraestrutura com o projeto Porto Maravilha, que está revitalizando uma área de 5 milhões de metros quadrados.

As intervenções incluem, além das obras do Porto Maravilha e da valorização urbanística e cultural da região, as operações de implantação do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) e do corredor expresso BRT (Bus Rapid Transit) Transbrasil – que vai ligar Deodoro ao Aeroporto Santos Dumont - e o fechamento de trecho da Avenida Rio Branco.

Também participaram da apresentação o secretário municipal de Transportes, Carlos Roberto Osorio; o diretor presidente da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp), Alberto Gomes da Silva; a presidente da Cet-Rio, Claudia Secin, e o subprefeito do Centro, Luiz Cláudio Vasques.

- O Centro ficou muito tempo abandonado, sem receber investimentos. Estamos buscando revitalizar espaços públicos com prioridade para transportes de alta capacidade, com a implantação de VLTs integrando os modais da cidade. Essas intervenções no Centro talvez sejam as que mais vão impactar na vida dos cariocas. Queremos que o Centro tenha transportes de alta capacidade e de muita qualidade, como acontece em outros centros metropolitanos do mundo. Pedimos a compreensão de todos, pois essas mudanças são para dar soluções definitivas – explicou o prefeito.

Dentro do projeto Porto Maravilha, a população carioca já pode perceber avanços na Região Portuária, como o Museu de Arte do Rio (MAR) – inaugurado no dia 1º de março; as construções do poço de serviço do túnel Via Expressa, da via Binária e do Túnel da Saúde; o início da demolição da Perimetral; e as obras do Porto Olímpico e do Museu do Amanhã.

Para a Prefeitura do Rio, a requalificação dos bairros do Porto em polos residenciais e de turismo, entretenimento e negócios está diretamente ligada às grandes mudanças no sistema viário, assim como à recuperação de patrimônio histórico, arquitetônico e cultural; obras de pavimentação, calçamento, drenagem e iluminação pública em seis bairros (Gamboa, Santo Cristo, Saúde e trechos de São Cristóvão, Centro e Cidade Nova).

Dentro do novo sistema de tráfego da Região Portuária está a construção da Via Expressa, que somada à criação de novas ruas e avenidas, permitirá a demolição total do elevado da Perimetral. O trânsito que circula hoje pela Perimetral e pela Avenida Rodrigues Alves passará a circular pela nova Via Binário do Porto - que terá 3,5 km de extensão e cruzará toda a Região Portuária com três pistas em cada sentido e dois túneis - e pela Rodrigues Alves, que será transformada em uma via expressa com pouco mais de 5 km.

Além das vias, a mobilidade será completada com a rede de VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), o sistema de BRTs e as ciclovias, que vão integrar de forma capilar a malha viária. O VLT ligará os bairros do Porto Maravilha ao centro financeiro da cidade e ao Aeroporto Santos Dumont, passando pelas imediações da Rodoviária Novo Rio, Praça Mauá, Avenida Rio Branco, Cinelândia, Central, Praça Quinze e Santo Cristo. Ele terá 28 quilômetros de extensão, 42 estações, e seis linhas, com capacidade para transportar até 450 passageiros por composição.

O plano inclinado do Morro da Providência (já em fase de testes), que vai ligar a Central do Brasil à Cidade do Samba, será mais uma opção de transporte para a população. O corredor expresso Transbrasil, que ligará Deodoro ao Aeroporto Santos Dumont, percorrerá 32 quilômetros de extensão, terá 28 estações e será capaz de transportar 850 mil passageiros por dia.

A prefeitura planeja ainda a construção de dois bulevares: um onde hoje é a Perimetral e outro na Avenida Rio Branco. Esses locais serão transformados em um enorme passeio público, com prioridade para o pedestre e visando melhorar as condições ambientais na cidade, com foco na sustentabilidade.

Novas interdições para obras do Porto Maravilha

Nos sábados dias 9 e 23 de março novas interdições ao tráfego na Região Portuária vão permitir a continuidade das obras do Porto Maravilha. Um trecho de pista da Av. Rodrigues Alves sentido Praça Mauá será fechado no dia 9 de março para garantir o avanço das obras de construção do acesso ao Túnel da Via Expressa, que vai desembocar na própria Av. Rodrigues Alves. No dia 23, a alça que liga a Av. Presidente Vargas à Perimetral sentido Aterro do Flamengo será interditada para início das intervenções que vão viabilizar a conexão do Mergulhão da Praça XV com o Túnel da Via Expressa.

Via Expressa

A nova Via Expressa terá 5.050 metros, parte em túnel, parte na superfície, com três pistas em cada sentido. Ela servirá aos motoristas que cruzam a Região Portuária apenas como passagem, margeando a área em paralelo aos armazéns do Porto. O Túnel da Via Expressa terá 2.579 metros, ligando o Mergulhão da Praça XV até a altura do Armazém 8, na atual Av. Rodrigues Alves. Em nível, os motoristas seguem da altura do Armazém 8 até a Rodoviária Novo Rio.

O Túnel da Via Expressa permitirá a construção de um boulevard de 44 mil m² entre a Praça Mauá e o Armazém 8, por onde passarão apenas Veículos Leves sobre Trilhos, pedestres e bicicletas.
Interdições de tráfego

Dia 09/03: interdição da pista sentido Centro da Av. Rodrigues Alves, no trecho entre a Rua Rivadavia Correa e a Rua Antônio Lage. O tráfego destinado à Praça Mauá será desviado para a pista oposta, que funcionará em mão dupla. Neste trecho o paralelepípedo, usado como acostamento, será asfaltado, de forma a garantir duas faixas de rolamento por sentido. Adicionalmente, por questões de segurança, será efetuado o fechamento total ao tráfego da Rua Antônio Lage (no trecho entre a Av. Venezuela e a Av. Rodrigues Alves).

Dia 23/03: interdição da Rua Visconde de Itaboraí no trecho entre a Av. Presidente Vargas e a Rua Visconde de Inhaúma. O tráfego destinado à Rua Visconde de Inhaúma passa a ser desviado para a Rua Primeiro de Março. Nesta etapa será fechada também a alça de subida da Perimetral a partir da Avenida Presidente Vargas. Neste trecho o fluxo de veículos passa a ser desviado para o Mergulhão da Praça XV.

Para viabilizar as interdições será necessário intensificar a operação de tráfego nas vias do entorno. Serão alocados 90 agentes de trânsito nas duas etapas de operação, que trabalharão para manter a fluidez, orientar motoristas e pedestres, efetuar os bloqueios e os desvios necessários de forma

a minimizar os impactos no trânsito. A operação contará com a participação da CET-Rio, da Guarda Municipal e da Concessionária Porto Novo. Serão também utilizados 12 painéis de mensagens variáveis, entre fixos e móveis, informando as interdições. O início da operação será às 8h do dia 9 de março e se estenderá até o término das obras, conforme o cronograma específico.


Alterações viárias e desvios

Os veículos que seguem pela Av. Rodrigues Alves serão desviados a partir do cruzamento com a Rua Rivadávia Correa para a pista oposta da respectiva via, que será compartilhada em regime de mão dupla até o entroncamento com a Rua Antônio Lage, onde os veículos retornarão a pista original para acesso à Av. Barão de Tefé.

Os veículos que hoje se utilizam da Rua Visconde de Itaboraí e desejam acessar a Rua Visconde de Inhaúma deverão seguir pela Rua Primeiro de Março.

Aqueles que trafegam pela Av. Presidente Vargas no sentido Aterro do Flamengo e se utilizam da alça de subida da Perimetral deverão seguir pelo Mergulhão da Praça XV até o acesso à Av. General Justo.

quinta-feira, 7 de março de 2013

Os preços piraram

25/02/2013 - O Globo

O Vidigal, que depois de pacificado viu o preço de seus imóveis ir às alturas, inflacionou ainda mais no entorno do hotel que Hélio Pellegrino está construindo, no Arvrão, no topo do morro. O dono de um casebre de dois quartos pede R$ 600 mil pelo imóvel, em péssimo estado de conservação.

O Cosme Velho que o Rebouças levou

02/03/2013 - O Globo, Jorge Antonio Barros

Numa cidade como o Rio, cheia de histórias, mas com a memória afetada pelo tempo (448 anos não são 448 dias), o psicanalista Francisco Daudt, 65 anos, subiu para o Youtube um documentário com imagens em super-8 do Cosme Velho que se perdeu em 1967, com a chegada do Túnel Rebouças -- a principal ligação entre as zonas Norte e Sul da cidade, com 2.800 metros. Com edição de Tita Berredo, o vídeo de 13 minutos e 44 segundos é uma viagem no tempo, que resgata preciosas imagens de construções destruídas para dar passagem ao túnel. A informação sobre o lançamento do video foi dada pela coluna Gente Boa, de Joaquim Ferreira do Santos, do GLOBO.

Com narração de Daudt, o vídeo exibe ainda imagens históricas da visita do Papa João Paulo II ao Corcovado, em 1980. Com o nome em homenagem a um comerciante português, o Cosme Velho é um bairro de classe média que fica no sopé dos morros Dona Marta e Corcovado, onde está o monumento do Cristo Redentor. Com clima aprazível, o bairro foi endereço de artistas, compositores e escritores Machado de Assis, Manuel Bandeira e Euclides da Cunha.

Numa época de "revitalizações", que a cidade vive hoje, sob a euforia dos grandes eventos internacionais, o filme é um libelo à necessidade de reflexão sobre um tempo em que transformações urbanísticas arrastam com elas a memória da cidade, e, com isso, um pouco da nossa identidade.

quarta-feira, 6 de março de 2013

Redes estrangeiras disputam hotéis de luxo no Rio

06/03/2013 - Valor Econômicos, Paola de Moura

Redes internacionais de hotéis que sonham em encontrar um cantinho ideal para colocar seus pés no Rio competem agora por dois empreendimentos que surgirão até 2014 na cidade. A Starwood com a marca W; a Wyndham, com o Wyndham Grand; a Hilton, com o Conrad; e a Trump, participam de uma disputa para colocar sua bandeira num hotel de alto padrão que será construído na Barra de Tijuca, pela Polaris. Já a Four Seasons está finalizando as negociações com a EBX de Eike Batista para operar o Glória Palace Hotel.
A disputa é tanta que as tradicionais exigências feitas pelos grupos estão sendo deixadas de lado em troca de ainda conseguir um bom ponto na cidade, onde a ocupação hoteleira beira os 90% o ano todo e só há 435 quartos de alto padrão: 346 no Copacabana Palace e outros 89 do Fasano. As propostas entregues à Polaris oferecem taxa de administração de até 1,25%, enquanto o mercado opera normalmente entre 3% e 6%. Além disso, as luvas chegam a R$ 10 milhões. Paulo Figueiredo Filho, diretor de Planejamento da Polaris, confirma as informações obtidas pelo Valor de que vem recebendo ofertas atrativas. Mas não revela se as marcas são as informadas por fontes por questão de confidencialidade.
A Polaris investirá R$ 235 milhões no novo hotel localizado na Barra. O empreendimento de 175 quartos será construído na avenida Lúcio Costa, de frente para o mar e na esquina da Praça do Ó, a cerca de 500 metros da praia do Pepê. No local, havia um prédio abandonado há 20 anos. A praça será revitalizada pela empresa, que investirá outros R$ 1,5 milhão. "Eu acredito em recuperação natural da região em função do investimento", afirma.
A Polaris realiza uma concorrência entre as quatro redes. Figueiredo apresentou o empreendimento que terá uma suíte presidencial de 300 metros quadrados e todos os quartos com vista para o mar. Atualmente, a empresa analisa e renegocia condições e exigências, como o padrão dos quartos. "Vamos investir, só em mobiliário, R$ 150 mil em cada quarto e queremos ter o nosso padrão".
A rede Starwood confirmou ter conversado com a Polaris, mas informou que as negociações são preliminares. Já o grupo Hilton diz ter interesse em ampliar sua atuação no Rio, sem dar detalhes das negociações. As redes Wyndham e Trump não responderam aos questionamentos do Valor.
Já o grupo EBX, desde 2008 vem reformando o Hotel Glória, agora batizado de Gloria Palace Hotel. Todo o prédio interno foi destruído, só restaram as fachadas e as colunas. A reforma deve custar R$ 300 milhões e a obra está prevista para ser entregue em 2014. O grupo EBX não comenta a informação, mas a Four Seasons confirmou que vem negociando com a empresa para ser a operadora.
No Rio, nos últimos anos, a demanda hoteleira não para de crescer. No entanto, a maior parte dos empreendimentos tem perfil econômico. Só a Accor vai construir nove hotéis até 2014. "O número de passageiros chegando nos aeroportos do Rio dobrou de 2002 para 2010. Mas o de quartos de hotéis não", diz Figueiredo. A lei que proibiu a instalação de apart hotéis no Rio, decretada pelo prefeito Cesar Maia em 2007, fez o mercado praticamente parar. Só em 2010, com o anúncio da Olimpíada do Rio, o setor voltou a investir mais pesadamente.
"O investimento em um hotel bem feito gera retorno entre 15% a 20% ao ano", analisa Paulo Figueiredo. O empresário conta que o hotel da Barra está projetado para ter receita por quarto (RevPar) de US$ 400 (R$ 800), isto com uma tarifa média de US$ 500 (R$ 1.000).

Odebrecht coloca Porto Maravilha em nova fase

05/03/2013 - Valor Econômico, Paola de Moura

Trump Towers, Solace ou Port Corporate são alguns dos projetos de edifícios corporativos anunciados na região do Porto Maravilha, no Rio de Janeiro, no último semestre do ano passado. Por enquanto, o porto é um emaranhado de obras e mais de uma dezena de projetos de construção, a maioria edifícios comerciais. Mas a Odebrecht Realizações Imobiliárias decidiu testar o mercado na nova região, com o primeiro edifício construído dentro das especificações de toda a operação consorciada urbana. A expectativa do mercado é saber qual o valor do metro quadrado na região.
No dia 23, a OR lança o Porto Atlântico, um empreendimento de sete torres estimado em R$ 1,7 bilhão de Valor Geral de Vendas (VGV). Localizado bem no meio da região, na saída do Santo Cristo, a construção será dividia em duas fases. A primeira com quatro torres, uma será corporativa de 28 mil metros quadrados, um edifício comercial com 330 salas e dois hotéis da rede Accor: um Novotel e um Ibis. A obra deve ficar pronta no primeiro semestre de 2016. A segunda fase abrange três torres corporativas, uma delas com heliporto, num total de 66 mil metros quadrados.
Daniel Vilard, diretor-superintendente da construtora conta que, no Centro do Rio, apenas 30% dos prédios oferecem qualidade considerada boa, com condições de instalações para TI, pé direito alto ou vagas de estacionamento. "Há empresas imobilizadas em três, quatro, às vezes até cinco diferentes endereços." Por isso, explica, o primeiro foco para a região portuária é o corporativo. A vacância neste segmento no Rio é uma das menores do país: 2,8%.
Vilard não informa o preço do metro quadrado, mas já há quem aposte nos preços de partida. "Hoje, no Centro, em um triple A, o aluguel é cotado entre R$ 140 a R$ 180 o metro quadrado. Na Barra da Tijuca custa entre R$ 100 e R$ 130", diz Alberto Robalinho, diretor da CBRE no Rio. "Como a Barra é mais distante, o preço de mercado, naturalmente é menor", explica.
Daniel Cherman, presidente da Tishman Speyer, lembra do lançamento do Ventura, na avenida República do Chile, instalado na região próxima às sedes da Petrobras e do BNDES mas não tão nobre. A primeira torre do triple A foi entregue m 2008. "Quando o Ventura começou a ser construído, diziam que não havia demanda. Éramos chamados de loucos", diz. "Hoje, depois da segunda torre, é exemplo de sucesso", afirma Cherman. Atualmente, os aluguéis no Ventura variam entre R$ 170 e R$ 180 o metro quadrado. "Imagino que uma empresa que paga caro num escritório antigo no Centro, sem instalações adequadas, possa gastar o mesmo para instalar-se numa área nova, com grandes lajes e espaços mais modernos."
A Tishman, também, possui dois empreendimentos na região. O primeiro deles a cerca de 500 metros da região em reformas. Cherman acredita que o projeto será um sucesso. Localizado no início da Avenida Brasil, o Port Coporate também está prestes a ser lançado. O investimento será R$ 250 milhões numa torre de 22 andares sendo 18 de escritórios, com 32 mil metros quadrados disponíveis para locação e 560 vagas de estacionamento. Cherman prevê um aluguel cerca de 30% menor do que o Ventura. "Não estamos na região diretamente beneficiada, mas muito próximos dela. Acreditamos que será bastante atrativo devido ao custo menor."
A diferença se dá em função da não obrigação em adquirir os Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepac). Como o Port Corporate está fora da região reformada, não é necessário comprar os títulos, nas mãos hoje do Fundo de Investimento Imobiliário Porto Maravilha, administrado pela Caixa Econômica.
O segundo projeto será construído numa região mais central do Porto da Marítima. Num terreno conhecido como Pátio da Marítima, em frente à Cidade do Samba, será erguido outro triple A com 2 torres de 60 mil metros quadrados cada. Lá foi necessária a aquisição de Cepacs. "Apostamos no Rio, porque vem crescendo mais que a média nacional", diz. "O Porto começa com empreendimentos corporativos. Mas será, no futuro, um bairro completo, com residencial, shopping e serviços."
Para Christian Bettoni, gerente comercial da JTavares, corretora de imóveis para empreendimentos corporativos, até 2017 a demanda no Porto será crescente. "O petróleo é mesmo o carro-chefe dessa aceleração. Há muitas empresas do setor divididas pelo Centro, que precisam de grandes escritórios para se unir".
Bettoni acrescenta que há poucas ofertas de terrenos para as construtoras, o que também valoriza os imóveis construídos. Para se ter ideia dos preços, a JTavares está vendendo um galpão na avenida Pedro Alvares, de 2.400 metros, por R$ 8 milhões. "Quando o Porto começar a precificar, ficará mais fácil para as transações serem fechadas", acredita o gerente.

Viaduto do poeta

06/03/2013 - O Globo, Ancelmo Gois

O novo viaduto que vai ligar as avenidas Brás de Pina e Lobo Júnior, na Penha, irá se chamar Luiz Carlos da Vila (1949-2008), o saudoso compositor.
Fica ao lado do viaduto João XXVIII, faz parte da Transcarioca e será inaugurado amanhã. Merece.